Pular para o conteúdo principal

Violador de painel é eleito governador

José Roberto Arruda/PFL foi eleito no 1º turno governador do distrito federal. Não 60% dos votos, como diziam algumas pesquisas, mas com 50,38%. Se 4964 eleitores que votaram nele tivessem votado em outro candidato haveria segundo turno.

Pois bem, onde estão os institutos de pesquisas que diziam que ele teria cerca de 60% dos votos válidos e Arlete Sampaio/PT, que teve 20%, teria apenas 11%? O que aconteceu com as pesquisas? Eles foram incompetentes? Simplesmente mentiram para manipular o eleitorado? Manipularam para dificultar a capitação de recursos das campanhas de Maria Abadia/PSDB e, sobretudo, de Arlete?


Teremos quatro anos de governo de uma pessoa sem compromisso com a verdade. Farei dura oposição ao governador Arruda (argh, que horror chama-lo de governador) como espero que o PT faça.

Meu problema com Arruda não é pessoal. Não tenho o desprazer de conhecê-lo pessoalmente. Meu problema com ele nasceu na violação do painel eletrônico do Senado Federal da qual ele participou. Por se só já seria motivo par rejeita-lo, mas o pior foi a mentira. A desfaçatez de subir na tribuna do Senado e negar veementemente que soubesse da tal lista. Gritou "Chega de leviandade" até que, encurralado, teve de admitir a sua participação no episódio. Seus apoiadores dizem: "ele foi corajoso de admitir, humilde por ter chorado, ele ficou sem dormir, coitado e já foi punido". Não, respondo, ele admitiu porque foi encurralado pelo depoimento da senhora Regina Borges. Ele dormiu tranquilamente durante um ano e só chorou e perdeu o sono por ter sido pego. E mais importante, ele não foi punido, ele fugiu como um Severino Cavalcanti e renunciou para não ser cassado.

Como o povo do DF pode eleger um homem como este?

Comentários

rubinho disse…
depois que Clodovil, Frank Aguiar e Maluf foram eleitos, já não duvido de nada mais...

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor de Chapadinha vai a Itapecuru prestar depoimento

O assassinato do empresário Pedro Lopes Fontenelle, em Vargem Grande, ainda é um mistério. Para ajudar a solucionar o caso o pastor Elias Lima, presidente da Assembleia de Deus em Chapadinha, se dirigiu à Delegacia de Itapecuru-Mirim na manhã desta terça-feira (02) para prestar depoimento.
O crime aconteceu na última quarta-feira (27) às margens da BR-222, em frente a uma propriedade que o pastor havia vendido para o empresário. O empresário foi executado com dois tiros e não levaram nada dele.
Segundo um genro do pastor, o irmão Ezequiel Douglas, ele não recebeu qualquer intimação para comparecer ao distrito policial que investiga o caso e se dirigiu de forma espontânea. “Como ninguém sabe quem são os autores nem a motivação do crime, cabe todos que tiveram algum contato recente com a vítima munir as autoridades policiais com toda informação que possa ajudar a solucionar o caso”, afirmou ao blog.
Pedro Lopes Fontenelle tinha 46 anos e atuava no ramo frigorífico em Vargem Grande.

Não Chamem Pra Mesma Mesa o Prefeito e o Cunhado Vereador

A confusão começou numa comemoração de família. Os dois conversavam com o nível etílico um pouco acima do recomendado quando o parlamentar externou suas preocupações com o rumo do governo e o prefeito reagiu contrariado quando ouviu o irmão da primeira-dama lhe dizer que se a eleição fosse hoje ele seria derrotado.
O problema aumentou durante uma recente posse de secretários no gabinete do prefeito. Parecia que ele já estava concluindo mais um dos seus longos discursos quando olhou o vereador entre os presentes e relembrou o diálogo afirmando não levar a sério o diagnóstico. Constrangendo o parlamentar, o prefeito disse que aquilo era conversa de quem estava com algo cheio de cachaça.
O vereador, é claro, não escondeu a contrariedade com a conversa, que havia acontecido em âmbito privado, ser tratada publicamente e principalmente com os termos que o prefeito usou na frente de outros parlamentares e membros da equipe de governo.
Pra piorar, ao saber das reclamações do vereador, o pre…

Top 20 prefeituráveis de 2020

Com metade do mandato do prefeito Magno Bacelar superado as articulações para a sua sucessão devem começar a esquentar e o Blog do Braga traz a lista com os 20 nomes mais cogitados para enfrentar a disputa municipal de 2020.
É possível que outros nomes sejam discutidos até as convenções do ano que e o mais provável é que três ou quatro sejam registrados pelos partidos políticos, mas os nomes mais especulados nas rodas de conversa da cidade e pelo grupos políticos locais até aqui são os seguintes:
Magno Bacelar: Apesar das três condenações com trânsito em julgado no Tribunal de Contas da União (TCU), não dá para deixar de considerar o nome do prefeito que está no cargo, principalmente considerando sua capacidade de se livrar de problemas jurídicos. Dificilmente conseguirá desfazer o atual desgaste do seu governo, mas tem a marca de ter sido o único prefeito reeleito de Chapadinha, em 2004.
Danubia Carneiro: Primeira-dama, ex-prefeita e secretária de Assistência Social. Parece mais inter…