Pular para o conteúdo principal

A acusação de Renan

E não contra Renan.


O senador Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado Federal, foi hoje à tribuna da Casa ratificar as denúncias que já havia feito contra a editora Abril e a revista Veja. A editora, segundo Renan, estaria envolvida numa negociação bilionária na qual venderia a TVA (transmissora de televisão por sinal a cabo e por satélite) para a empresa espanhola Telefônica, a mesma que comprou a Telesp no conturbado processo de privatização das "teles" que se deu durante o governo FHC.

Além do controle total da TVA também seriam vendidos 86,7% da operadora Comercial Cabo e 91,5% da TVA Sul.

Que não se atenha à discussão de que empresas estrageiras deveriam ou não poder comprar empresas de comunicação no Brasil. O fato é que a lei atual considera tal ato crime.

A editora Abril soltou nota oficial à imprensa na qual afirma que a "parceria" está rigorosamente dentro da lei.

Confio menos na editora Abril do que no senador Renan Calheiros.

Em tempo que CPI virou Minancora (remédio pra tudo) este Blog enviou uma mensagem eletrônica a todos os líderes de bancadas partidárias e de blocos do Senado Federal perguntando se estes apoiariam um eventual requerimento pedindo a abertura de uma CPI para investigar as denúncias feitas pelo senador Renan Calheiros. Aguardamos resposta.



***

Só para constar: Quando desceu da tribuna, de onde fez as acusações, Renan cumprimentou todos os senadores que viu a sua frente e o primeiro, até porque era o primeiro no seu caminho, foi o senador José Agripino Maia (DEM-RN), com quem protagonizou bate-boca nesta mesma semana no mesmo plenário do Senado. Este, educadamente, não lhe furtou o prazer de um bom aperto de mãos com tapinhas nos ombros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor de Chapadinha vai a Itapecuru prestar depoimento

O assassinato do empresário Pedro Lopes Fontenelle, em Vargem Grande, ainda é um mistério. Para ajudar a solucionar o caso o pastor Elias Lima, presidente da Assembleia de Deus em Chapadinha, se dirigiu à Delegacia de Itapecuru-Mirim na manhã desta terça-feira (02) para prestar depoimento.
O crime aconteceu na última quarta-feira (27) às margens da BR-222, em frente a uma propriedade que o pastor havia vendido para o empresário. O empresário foi executado com dois tiros e não levaram nada dele.
Segundo um genro do pastor, o irmão Ezequiel Douglas, ele não recebeu qualquer intimação para comparecer ao distrito policial que investiga o caso e se dirigiu de forma espontânea. “Como ninguém sabe quem são os autores nem a motivação do crime, cabe todos que tiveram algum contato recente com a vítima munir as autoridades policiais com toda informação que possa ajudar a solucionar o caso”, afirmou ao blog.
Pedro Lopes Fontenelle tinha 46 anos e atuava no ramo frigorífico em Vargem Grande.

Não Chamem Pra Mesma Mesa o Prefeito e o Cunhado Vereador

A confusão começou numa comemoração de família. Os dois conversavam com o nível etílico um pouco acima do recomendado quando o parlamentar externou suas preocupações com o rumo do governo e o prefeito reagiu contrariado quando ouviu o irmão da primeira-dama lhe dizer que se a eleição fosse hoje ele seria derrotado.
O problema aumentou durante uma recente posse de secretários no gabinete do prefeito. Parecia que ele já estava concluindo mais um dos seus longos discursos quando olhou o vereador entre os presentes e relembrou o diálogo afirmando não levar a sério o diagnóstico. Constrangendo o parlamentar, o prefeito disse que aquilo era conversa de quem estava com algo cheio de cachaça.
O vereador, é claro, não escondeu a contrariedade com a conversa, que havia acontecido em âmbito privado, ser tratada publicamente e principalmente com os termos que o prefeito usou na frente de outros parlamentares e membros da equipe de governo.
Pra piorar, ao saber das reclamações do vereador, o pre…

Mais um empresário se prepara para disputar a Prefeitura

Está difícil manter a contagem de quantos pré-candidatos ao cargo de prefeito de Chapadinha já estão no páreo. Hoje pela manhã foi a vez do empresário Nenezão se filiar ao Partido dos Trabalhadores (PT) se colocando a disposição da legenda para a disputa.
A informação é do presidente do Diretório Municipal, o ex-vereador Manim Lopes, que acredita que uma candidatura própria é o melhor caminho para o partido voltar a ter representatividade local.