Pular para o conteúdo principal

O processo da Mobilização Social

Hoje, quando estava em reunião, ouvi um termo que muito me chamou atenção. "Mobilização Acadêmica". À caminho de casa vim pensando nesse termo e neste texto. Observem...


Quem acompanha este blog, sabe da minha luta por mobilização social. Acho e tenho a certeza que para dar um basta na corrupção do Brasil ( e dos outros países subsequentemente), para propiciar uma vida melhor a todos, e principalmente para obter o direito à educação e informação é necessário uma mobilização social. O termo mobilização social engloba toda população brasileira. Já o termo mobilização acadêmica engloba os docentes de universidades, os discentes de universidades e a estrutura universitária como um todo. A mobilização acadêmica pode ser muito bem exemplificada pelo epidósio da invasão da reeitoria da USP. Que também pode ser exemplo de mobilização social tendo em vista que não só os alunos estavam nessa invasão, nesse protesto. A partir do momento em que essa invasão atraiu a imprensa, chamou ateção da população brasileira, e levou a uma tardia atitude governamental essa moblização acadêmica tornou-se mobilização social. Pois, pela imprensa a população brasileira tomou conhecimento do assunto, o movimento - com certeza- começou a ganhar mais adeptos e então culminou na resolução parcial do problema. Não questiono aqui a classe social ou a personalidade dos manifestantes.


Entende-se então que antes de uma manifestação social há uma pré-manifestação. A primeira pré-manifestação chamarei de manifestação intelectual. Há primeiramente, a necessidade de mudança e essa é compreendida no intelecto. Se o indivíduo não a compreende e não- digamos assim- " conscientiza" a necessidade da mudança, não há como dar início a uma mobilização social. Então a gênese da mobilização social está na mobilização intelectual.


A segunda pré-moblização são as mobilizações que se dão por meio de clãs. Então: mobilização acadêmica, mobilização partidária, mobilização jornalística, mobilização indígena, etc. Esta caracateriza-se por adquirir adeptos. São importantes para o andamento da mobilização social. É partir dessa mobilização, inciadas nos clãs, que é possível alcançar êxito na mobilização social.


Este processo é de fundamental importância. Se a maioria da popualção brasieliera - ouso em dizer a elite brasileira ( pois é ela que tem o maior acesso a educação)- soubesse do processo que envolve a mobilização social, creio que muitos não diriam: "Mobilização social é oba-oba, é bagunça!". Não negariam ajuda às outras pessoas que fazem este país. Não estariam preocupados com o consumismo e deixariam de ser jovens alienados e cheios de "malhação".

É difícil conscientizar uma população que não se interessa pela nossa Constituição Federal que "todo poder emana no povo". E é triste saber que parte desse mesmo povo sabe disso e não se interessa em usar o seu poder para melhorar a vida do próximo.

A situação atual da mobilização social brasileira é instável e individualista o suficiente para deixar de existir. Mas a situação dessa jovem aqui é forte e decidida o suficiente para não deixar que isso aconteça.

Este texto foi escrito por Ana Paula Bessa,
estudante de jornalismo, articulista do Blog do Braga, que tem um anseio enorme por mudar a conscientização poítica e social dos jovens brasileiros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor de Chapadinha vai a Itapecuru prestar depoimento

O assassinato do empresário Pedro Lopes Fontenelle, em Vargem Grande, ainda é um mistério. Para ajudar a solucionar o caso o pastor Elias Lima, presidente da Assembleia de Deus em Chapadinha, se dirigiu à Delegacia de Itapecuru-Mirim na manhã desta terça-feira (02) para prestar depoimento.
O crime aconteceu na última quarta-feira (27) às margens da BR-222, em frente a uma propriedade que o pastor havia vendido para o empresário. O empresário foi executado com dois tiros e não levaram nada dele.
Segundo um genro do pastor, o irmão Ezequiel Douglas, ele não recebeu qualquer intimação para comparecer ao distrito policial que investiga o caso e se dirigiu de forma espontânea. “Como ninguém sabe quem são os autores nem a motivação do crime, cabe todos que tiveram algum contato recente com a vítima munir as autoridades policiais com toda informação que possa ajudar a solucionar o caso”, afirmou ao blog.
Pedro Lopes Fontenelle tinha 46 anos e atuava no ramo frigorífico em Vargem Grande.

Não Chamem Pra Mesma Mesa o Prefeito e o Cunhado Vereador

A confusão começou numa comemoração de família. Os dois conversavam com o nível etílico um pouco acima do recomendado quando o parlamentar externou suas preocupações com o rumo do governo e o prefeito reagiu contrariado quando ouviu o irmão da primeira-dama lhe dizer que se a eleição fosse hoje ele seria derrotado.
O problema aumentou durante uma recente posse de secretários no gabinete do prefeito. Parecia que ele já estava concluindo mais um dos seus longos discursos quando olhou o vereador entre os presentes e relembrou o diálogo afirmando não levar a sério o diagnóstico. Constrangendo o parlamentar, o prefeito disse que aquilo era conversa de quem estava com algo cheio de cachaça.
O vereador, é claro, não escondeu a contrariedade com a conversa, que havia acontecido em âmbito privado, ser tratada publicamente e principalmente com os termos que o prefeito usou na frente de outros parlamentares e membros da equipe de governo.
Pra piorar, ao saber das reclamações do vereador, o pre…

Mais um empresário se prepara para disputar a Prefeitura

Está difícil manter a contagem de quantos pré-candidatos ao cargo de prefeito de Chapadinha já estão no páreo. Hoje pela manhã foi a vez do empresário Nenezão se filiar ao Partido dos Trabalhadores (PT) se colocando a disposição da legenda para a disputa.
A informação é do presidente do Diretório Municipal, o ex-vereador Manim Lopes, que acredita que uma candidatura própria é o melhor caminho para o partido voltar a ter representatividade local.