Pular para o conteúdo principal

FHC: Esqueçam que eu governei

O ex-presidente Efeagacê publica hoje artigo em grandes jornais do país intitulado "Culpa e responsabilidade". Mantendo-se, como ele mesmo diz, como o único oposicionista (esquece-se de Agripino “obstrução” Maia) ele fala sobre o que não entende, o PT, e para descascar o inimigo vermelho esquece do passado, esquece do seu próprio governo e do seu próprio partido.

"(...)PT faz seus dirigentes dizerem em uníssono: não temos nada com isso, o julgamento não respinga em nós nem no governo, o mau comportamento é caso isolado, talvez de um só "companheiro", o auto imolado Delúbio, etc. São justificativas típicas de partidos autoritários: "o Partido", em sua essência, é perfeito; os homens que o compõem são entidades à parte -- podem ser pecadores, mas o partido não erra nunca."

Ora, ora, ora... Eu critico o governo Lula com a consciência tranquila. Nunca governei o Brasil de braços dados com o PFL, nunca comprei deputado para aprovar a emenda da reeleição, nunca doei o patrimônio público contra a vontade do povo. Durmo toda noite tranquilamente. Será que FHC também encosta a cabeça no travesseiro e dorme?

Efeagacê sofreu com o PT fazendo-lhe cerrada oposição por oito, mas mesmo assim fez um transição do seu governo neo-liberal para o de Lula da forma mais diplomática e amistosa possível, mas Lula não o chamou para compor o governo. De lá pra cá critica o PT e seu ex-amigo presidente com o rancor saltando aos olhos. Tudo bem. Se estivéssemos falando de um Pedro Simon, de um Rui Barbosa, de um Ulysses Guimarães, mas não. O cara tinha o finado Sérgio Motta, repito caros leitores, Sérgio Motta na sua tropa de choque e quer falar de Delúbio Soares?!

"A hipótese de que os maiores responsáveis políticos nada sabiam é de difícil sustentação.", disse o príncipe dos sociólogos.

Perigoso. Perigosíssimo. Faz-me crer que ele, portanto, sabia de tudo o que acontecia no seu governo.

Recapitulando rápido. Tráfico de influência nas privatizações das "Teles", doação da Companhia Vale do Rio Doce, que tinha a época um patrimônio de mais de R$ 90 bilhões, por míseros R$ 3 bi (a Vale é nossa), compra de votos para aprovar a emenda da reeleição, violação do painel do Senado (sim, afinal de contas quem violou foi seu então líder do governo no Senado ilustre senador José Arruda, hoje governador do DF ¬¬). Isto para ficar em quatro casos.

Efeagacê sabia de tudo?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor de Chapadinha vai a Itapecuru prestar depoimento

O assassinato do empresário Pedro Lopes Fontenelle, em Vargem Grande, ainda é um mistério. Para ajudar a solucionar o caso o pastor Elias Lima, presidente da Assembleia de Deus em Chapadinha, se dirigiu à Delegacia de Itapecuru-Mirim na manhã desta terça-feira (02) para prestar depoimento.
O crime aconteceu na última quarta-feira (27) às margens da BR-222, em frente a uma propriedade que o pastor havia vendido para o empresário. O empresário foi executado com dois tiros e não levaram nada dele.
Segundo um genro do pastor, o irmão Ezequiel Douglas, ele não recebeu qualquer intimação para comparecer ao distrito policial que investiga o caso e se dirigiu de forma espontânea. “Como ninguém sabe quem são os autores nem a motivação do crime, cabe todos que tiveram algum contato recente com a vítima munir as autoridades policiais com toda informação que possa ajudar a solucionar o caso”, afirmou ao blog.
Pedro Lopes Fontenelle tinha 46 anos e atuava no ramo frigorífico em Vargem Grande.

Não Chamem Pra Mesma Mesa o Prefeito e o Cunhado Vereador

A confusão começou numa comemoração de família. Os dois conversavam com o nível etílico um pouco acima do recomendado quando o parlamentar externou suas preocupações com o rumo do governo e o prefeito reagiu contrariado quando ouviu o irmão da primeira-dama lhe dizer que se a eleição fosse hoje ele seria derrotado.
O problema aumentou durante uma recente posse de secretários no gabinete do prefeito. Parecia que ele já estava concluindo mais um dos seus longos discursos quando olhou o vereador entre os presentes e relembrou o diálogo afirmando não levar a sério o diagnóstico. Constrangendo o parlamentar, o prefeito disse que aquilo era conversa de quem estava com algo cheio de cachaça.
O vereador, é claro, não escondeu a contrariedade com a conversa, que havia acontecido em âmbito privado, ser tratada publicamente e principalmente com os termos que o prefeito usou na frente de outros parlamentares e membros da equipe de governo.
Pra piorar, ao saber das reclamações do vereador, o pre…

Mais um empresário se prepara para disputar a Prefeitura

Está difícil manter a contagem de quantos pré-candidatos ao cargo de prefeito de Chapadinha já estão no páreo. Hoje pela manhã foi a vez do empresário Nenezão se filiar ao Partido dos Trabalhadores (PT) se colocando a disposição da legenda para a disputa.
A informação é do presidente do Diretório Municipal, o ex-vereador Manim Lopes, que acredita que uma candidatura própria é o melhor caminho para o partido voltar a ter representatividade local.