Pular para o conteúdo principal

Ainda sobre privatizações


Ri sozinho quando avistei esta placa no Metrô de Brasília.

Eu quero conservar meu metrô. O governador violador de painel José Arruda é que não quer conservá-lo sendo meu.

Depois de nós, contribuintes brasilienses, pagarmos milhões em impostos para a construção do Metrô o que o governo quer fazer? Privatizá-lo. Colocá-lo nas mãos da iniciativa privada para ela lucrar em cima da necessidade de quem? De nós, contribuintes brasilienses.

Não é que a iniciativa privada não possa ter metrôs, trens-balas, rodovias. Deve ter sim. É só ir lá e construir, ora bolas.

Os neoliberais brasileiros não querem o "Estado mínimo". Eles querem um Estado servindo a eles, e só a eles.

O Estado deve ser presente, sim senhor. A serviço da sociedade e priorizando aqueles que mais precisam dele, os mais necessitados.

Por isto o Estado não deve ser reduzido ao máximo, pelo contrário, deve também crescer onde for necessário. E a área de transportes é emblemática.

Falou-se incessantemente em crise aérea neste últimos 12 meses, mas menos de 10% dos brasileiros utilizam-se do sistema aéreo. Muito mais grave é o apagão terrestre.

O trabalhador brasileiro sofre nas grandes cidades com a situação caótica do transporte urbano com ônibus velhos, em baixa quantidade, sem condições de utilização por deficientes, sujos, sem manutenção, atrasados, que muitas vezes quebram no meio do caminho e com passagens absurdamente caras. Por que tudo isso? Por causa deste capitalismo selvagem. Porque toda empresa pensa como a TAM: Nada substitui o lucro. O objetivo é nenhum, senão a otimização dos lucros. Custe o que custar.

O prefácio do livro "Privatização das Telecomunicações" (Editora Notrya\ 1993) de Gaspar Vianna foi escrito por Barbosa Lima Sobrinho e lá ele diz:

“O que distingue as duas empresas (privada e estatal) é o objetivo que as separa. Para que se funda uma empresa comercial? Qual seu objetivo essencial, senão a obtenção do lucro máximo que possa conquistar? (...) (A empresa comercial) Poderia valer-se de todos os processos para chegar a esse resultado, contornando os obstáculos da legislação em vigor. Nem teria que dar satisfações a quem quer que fosse, livre da vigilância de um noticiário que não chega a interessar ao grande público. (...)

Já a empresa estatal é como se trabalhasse por detrás de uma vitrine, sob severa vigilância da própria imprensa. (...) Veja-se o destino, por exemplo, da Petrobrás. Parece até que dispõe de espaço cativo na imprensa a serviço da benemerência das empresas privadas. Quando, na verdade, sua principal finalidade não é o lucro, mas o serviço do povo. Se os seus déficits podem ser compensados pela utilidade social, não há motivos para censuras ou para desprestígio. Como acontece com uma empresa ferroviária que estende suas linhas a lugares pouco habitados, que poderão proporcionar possibilidades futuras de lucro, trabalhando pelo progresso de regiões, que possam trazer benefícios e vantagens mais adiante."

Barbosa Lima Sobrinho era simplesmente brilhante e expõe com extrema sabedoria os maiores motivos para se combater o neoliberalismo. Assim o sendo, o Estado não deve deixar o transporte urbano só nas mãos da iniciativa privada. Pegue-se o exemplo do Distrito Federal. Somos reféns de homens como Valmir Amaral e Wagner Canhedo.

Se o caminho não é a estatização das empresas privadas do setor, e acredito que não seja mesmo, devem-se, no mínimo, serem criadas viações estatais que não se preocupem com o lucro. Que trabalhem com o compromisso de servir à sociedade com ônibus que permitam a utilização do serviço por deficientes, que tenham passagens mais baratas, suficientes para manter a empresa, mas menores do que aquelas que se propõem a lucrar.

A idéia de aumentar o Estado parece ser coisa de comunista, mas não é. O transporte público (e lá é público mesmo) em Washington, capital do país mais capitalista que pode haver, é estatal.

Em linhas editoriais o Blog do Braga defende a estatização do transporte urbano em defesa dos interesses dos trabalhadores, e não dos grandes empresários.

Obs: Todas as fotos deste post foram tiradas em Brasília.


update 10 de outubro, 15:54: "75% dos paulistanos deixariam carro em casa"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor de Chapadinha vai a Itapecuru prestar depoimento

O assassinato do empresário Pedro Lopes Fontenelle, em Vargem Grande, ainda é um mistério. Para ajudar a solucionar o caso o pastor Elias Lima, presidente da Assembleia de Deus em Chapadinha, se dirigiu à Delegacia de Itapecuru-Mirim na manhã desta terça-feira (02) para prestar depoimento.
O crime aconteceu na última quarta-feira (27) às margens da BR-222, em frente a uma propriedade que o pastor havia vendido para o empresário. O empresário foi executado com dois tiros e não levaram nada dele.
Segundo um genro do pastor, o irmão Ezequiel Douglas, ele não recebeu qualquer intimação para comparecer ao distrito policial que investiga o caso e se dirigiu de forma espontânea. “Como ninguém sabe quem são os autores nem a motivação do crime, cabe todos que tiveram algum contato recente com a vítima munir as autoridades policiais com toda informação que possa ajudar a solucionar o caso”, afirmou ao blog.
Pedro Lopes Fontenelle tinha 46 anos e atuava no ramo frigorífico em Vargem Grande.

Não Chamem Pra Mesma Mesa o Prefeito e o Cunhado Vereador

A confusão começou numa comemoração de família. Os dois conversavam com o nível etílico um pouco acima do recomendado quando o parlamentar externou suas preocupações com o rumo do governo e o prefeito reagiu contrariado quando ouviu o irmão da primeira-dama lhe dizer que se a eleição fosse hoje ele seria derrotado.
O problema aumentou durante uma recente posse de secretários no gabinete do prefeito. Parecia que ele já estava concluindo mais um dos seus longos discursos quando olhou o vereador entre os presentes e relembrou o diálogo afirmando não levar a sério o diagnóstico. Constrangendo o parlamentar, o prefeito disse que aquilo era conversa de quem estava com algo cheio de cachaça.
O vereador, é claro, não escondeu a contrariedade com a conversa, que havia acontecido em âmbito privado, ser tratada publicamente e principalmente com os termos que o prefeito usou na frente de outros parlamentares e membros da equipe de governo.
Pra piorar, ao saber das reclamações do vereador, o pre…

Top 20 prefeituráveis de 2020

Com metade do mandato do prefeito Magno Bacelar superado as articulações para a sua sucessão devem começar a esquentar e o Blog do Braga traz a lista com os 20 nomes mais cogitados para enfrentar a disputa municipal de 2020.
É possível que outros nomes sejam discutidos até as convenções do ano que e o mais provável é que três ou quatro sejam registrados pelos partidos políticos, mas os nomes mais especulados nas rodas de conversa da cidade e pelo grupos políticos locais até aqui são os seguintes:
Magno Bacelar: Apesar das três condenações com trânsito em julgado no Tribunal de Contas da União (TCU), não dá para deixar de considerar o nome do prefeito que está no cargo, principalmente considerando sua capacidade de se livrar de problemas jurídicos. Dificilmente conseguirá desfazer o atual desgaste do seu governo, mas tem a marca de ter sido o único prefeito reeleito de Chapadinha, em 2004.
Danubia Carneiro: Primeira-dama, ex-prefeita e secretária de Assistência Social. Parece mais inter…