Pular para o conteúdo principal

CPMF - Perdas e ganhos

O Síndico do edifício onde moro deu a seguinte informação ao final da reunião da Assembléia Geral: “já que a maioria não concordou com a instituição da taxa extra, vamos deixar de fazer as melhorias pretendidas por parte dos moradores”. Quem ganhou? Quem perdeu? Houve ganhadores e perdedores? A maioria assim decidiu.

Assim é no nosso condomínio, assim é para uma comunidade qualquer, assim é para o país. Algumas coisas, necessariamente, deixarão de ser feitas. Estabeleçamos prioridades: se o nível de investimento na economia é tradicionalmente baixo, não podemos reduzi-lo, sob pena de travarmos o crescimento econômico; como é socialmente desejável que todos os brasileiros tenham o mínimo de suas necessidades satisfeitas, não se pode nem pensar em cortes no bolsa-família; as transferências obrigatórias, o próprio nome já indica, têm que ser cumpridas. Restam as transferências voluntárias e a “queima de gorduras” nas despesas de custeio.

É preciso desmistificar o propalado excesso de receita do governo. Uma família pode viver com uma renda de R$ 1000,00; essa família viverá melhor se a sua renda aumentar para R$ 5.000. O que vai diferir é o nível de vida, é o padrão de bem estar dos seus membros. Analogamente, mais dinheiro arrecadado significa a possibilidade de melhorar o padrão de vida de milhões de brasileiros que precisam do Estado.

Não se pode participar do jogo de sedução de opositores que afirmam que o governo gasta demais. Mesmo porque quando um orçamento é aprovado pelo Congresso Nacional, a despesa é igual à receita. Esta é uma condição, imposta por uma lei (nr. 6420) que vigora desde 1964. Como a despesa, segundo a lei, se constitui numa autorização, fica o governo autorizado, de antemão, a gastar aquilo que for arrecadado. Quando há excesso de arrecadação, ele precisa de nova autorização legislativa para realizar os gastos.

No entanto, durante a execução orçamentária, no exercício financeiro, que vai do primeiro ao último dia de cada ano civil, é feito um esforço para que a receita supere a despesa propiciando as condições para se saldar os juros e parte da dívida interna – esse é o tal superávit primário.

Sem os recursos da CPMF, fica sacrificada a geração do superávit primário, ficam sacrificados os serviços que o Estado propicia nas áreas de saúde e de educação.

Os reflexos para a economia não podem ser vistos apenas dessa forma. Existe um mercado financeiro que é bastante sensível a essas mudanças. Refletirá na bolsa de valores, com uma possível queda no seu desempenho e o fluxo de capitais externos só será aliviado porque nos Estados Unidos a taxa de juros foi reduzida em mais 0,25%.

São várias as funções da CPMF, ressaltando-se o fato de ser inibidora da sonegação. Isto pode se constituir em fator de preocupação para muitos.

Parece, e é, uma contradição o fato do Poder Legislativo ter aprovado a regulamentação da Emenda 29, que destina mais R$ 24 bilhões para a saúde e, ao mesmo tempo, retira o dinheiro para o mesmo setor.

É preciso ter cuidado, também, com uma informação que ouvi hoje de um comentarista da CBN, segundo o qual é melhor o dinheiro nas mãos das pessoas, na sociedade, do que entregá-lo ao governo. E mais ainda: o dinheiro que cada um pagaria por conta da CPMF poderia ser empregado no pagamento de um bom plano de saúde! No ponto máximo desta ilação, governo não arrecadaria recursos; governo sem recursos não existiria razão da sua existência, o que seria um regime anárquico. Por outro lado o governo não exerceria a sua função distributiva, pois os mais abastados teriam direito aos serviços de saúde pagos por aquilo que ele contribuiria para oferecer tais serviços aos mais pobres.

Assim, os pobres deixam de ganhar. E, em economia, deixar de ganhar significa perder.


Newton Braga,
Professor de economia do Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor de Chapadinha vai a Itapecuru prestar depoimento

O assassinato do empresário Pedro Lopes Fontenelle, em Vargem Grande, ainda é um mistério. Para ajudar a solucionar o caso o pastor Elias Lima, presidente da Assembleia de Deus em Chapadinha, se dirigiu à Delegacia de Itapecuru-Mirim na manhã desta terça-feira (02) para prestar depoimento.
O crime aconteceu na última quarta-feira (27) às margens da BR-222, em frente a uma propriedade que o pastor havia vendido para o empresário. O empresário foi executado com dois tiros e não levaram nada dele.
Segundo um genro do pastor, o irmão Ezequiel Douglas, ele não recebeu qualquer intimação para comparecer ao distrito policial que investiga o caso e se dirigiu de forma espontânea. “Como ninguém sabe quem são os autores nem a motivação do crime, cabe todos que tiveram algum contato recente com a vítima munir as autoridades policiais com toda informação que possa ajudar a solucionar o caso”, afirmou ao blog.
Pedro Lopes Fontenelle tinha 46 anos e atuava no ramo frigorífico em Vargem Grande.

Não Chamem Pra Mesma Mesa o Prefeito e o Cunhado Vereador

A confusão começou numa comemoração de família. Os dois conversavam com o nível etílico um pouco acima do recomendado quando o parlamentar externou suas preocupações com o rumo do governo e o prefeito reagiu contrariado quando ouviu o irmão da primeira-dama lhe dizer que se a eleição fosse hoje ele seria derrotado.
O problema aumentou durante uma recente posse de secretários no gabinete do prefeito. Parecia que ele já estava concluindo mais um dos seus longos discursos quando olhou o vereador entre os presentes e relembrou o diálogo afirmando não levar a sério o diagnóstico. Constrangendo o parlamentar, o prefeito disse que aquilo era conversa de quem estava com algo cheio de cachaça.
O vereador, é claro, não escondeu a contrariedade com a conversa, que havia acontecido em âmbito privado, ser tratada publicamente e principalmente com os termos que o prefeito usou na frente de outros parlamentares e membros da equipe de governo.
Pra piorar, ao saber das reclamações do vereador, o pre…

Top 20 prefeituráveis de 2020

Com metade do mandato do prefeito Magno Bacelar superado as articulações para a sua sucessão devem começar a esquentar e o Blog do Braga traz a lista com os 20 nomes mais cogitados para enfrentar a disputa municipal de 2020.
É possível que outros nomes sejam discutidos até as convenções do ano que e o mais provável é que três ou quatro sejam registrados pelos partidos políticos, mas os nomes mais especulados nas rodas de conversa da cidade e pelo grupos políticos locais até aqui são os seguintes:
Magno Bacelar: Apesar das três condenações com trânsito em julgado no Tribunal de Contas da União (TCU), não dá para deixar de considerar o nome do prefeito que está no cargo, principalmente considerando sua capacidade de se livrar de problemas jurídicos. Dificilmente conseguirá desfazer o atual desgaste do seu governo, mas tem a marca de ter sido o único prefeito reeleito de Chapadinha, em 2004.
Danubia Carneiro: Primeira-dama, ex-prefeita e secretária de Assistência Social. Parece mais inter…