Pular para o conteúdo principal

Grampos em Gilmar Mendes

Li e reli a matéria da Veja que denuncia os grampos no gabinete do presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, Advogado-Geral da União na época que Efeagacê bebia vinho no Palácio da Alvorada. Também li e reli os principais blogs de esquerda e de direita que falaram sobre o assunto, sobretudo o de Reinaldo Azevedo (UDN-VEJA) e o do Luís Nassif (PT-IG).

Conclusão: nenhuma.

Como qualquer matéria da Veja, principalmente tratando-se de denúncia, ela é suspeita. A dúvida sempre é a primeira reação a uma acusação publicada na revista que publicou o "boimate", o qual seria a maior revolução da história da genética, que publicou que o presidente Lula, o ex-ministro Antônio Palocci, o diretor da Abin Paulo Lacerda, o ex-ministro Zé Dirceu, o ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos e outros tinham contas secretas no exterior. Uma revista que tem o Zé Graça como colunista e o Daniel Dantas como fonte.

Então vamos lá. A Veja, repito, a Veja publica uma denúncia importantíssima entregue a ela por uma fonte que pede para se manter no anonimato. Vocês já sabem de quem eu desconfio: Daniel Dantas, claro. Grampo + acusação estranha + mais revista Veja = Daniel Dantas.

A acusação, porém, é de que agentes da Abin teriam feito o grampo. Ficaria evidente, então, que a Abin, assim como a Polícia Federal, está rachada. O agente que teria entregue a gravação à revista estaria claramente contra o diretor-geral Paulo Lacerda (opa, não é aquele mesmo que a Veja disse que tinha contas secretas no exterior?) e do lado do ministro Gilmar Mendes. A conversa, teoricamente, não é comprometedora nem para Mendes, nem para o senador Demóstenes Torres (DEM-GO), o outro grampeado. Seria, como diz Luís Nassif, um caso de grampo a favor dos grampeados. E, continuo, desmoralizante para Lacerda, que há algumas semanas negou a possibilidade de arapongagem por parte da Abin.



Áudio

Perguntinha que não ofende: Cadê o áudio desta conversa?

Sim, porque a Veja publicar, com informação em off, que o Gilmar Mendes foi grampeado e simplesmente descrever a conversa prova nada.

Eu não ouvi o grampo. Não encontrei no sítio da revista, nem em matéria de telejornais.

Ou agora basta a palavra do ministro que deu dois habeas corpus para Daniel Dantas em 48 horas? E a palavra de um senador do DEM, de oposição, interessado em acusar o governo e defensor da linha editorial da revista?



Conversa Republicana?

A conversa entre Demóstenes e Mendes vem sendo comentada como não comprometedora. Nas palavras de Demóstenes é até republicana. Então peraí. Vamos às palavras do senador.

Em entrevista depois da matéria publicada:

"Uma conversa absolutamente republicana. Um juiz de Roraima deu uma decisão interferindo na agenda da CPI. Quem pode decidir sobre agenda da CPI é a CPI, quem pode contrariar essa decisão é o Supremo Tribunal Federal".

Na conversa:

"Demóstenes – Gilmar, obrigado pelo retorno, eu te liguei porque tem um caso aqui que vou precisar de você. É o seguinte: eu sou o relator da CPI da Pedofilia aqui no Senado e acabo de ser comunicado pelo pessoal do Ministério da Justiça que um juiz estadual de Roraima mandou uma decisão dele para o programa de proteção de vítimas ameaçadas para que uma pessoa protegida não seja ouvida pela CPI antes do juiz.

Gilmar – Como é que é?

Demóstenes – É isso mesmo! Dois promotores entraram com o pedido e o juiz estadual interferiu na agenda da CPI. Tem cabimento?

Gilmar – É grave.

Demóstenes – É uma vítima menor que foi molestada por um monte de autoridades de lá e parece que até por um deputado federal. É por isso que nós queremos ouvi-la, mas o juiz lá não tem qualquer noção de competência.

Gilmar – O que você quer fazer?

Demóstenes – Eu estou pensando em ligar para o procurador-geral de Justiça e ver se ele mostra para os promotores que eles não podem intervir em CPI federal, que aqui só pode chegar ordem do Supremo. Se eles resolverem lá, tudo bem. Se não, vou pedir ao advogado-geral da Casa para preparar alguma medida judicial para você restabelecer o direito."



Não. Não é uma conversa absolutamente republicana, não. É um senador combinando o jogo com o presidente do STF sobre uma decisão judicial que este poderá ter que tomar e este presidente se apresentando pronto para servir. "O que você quer fazer?".


Zé Dirceu

Quem aparece subitamente na reportagem de Veja? Ele, Zé Dirceu, meu pré-candidato à presidência.

Diferentemente de outrora, Dirceu aparece como vítima e acusador. O acusado seria Paulo Lacerda e o ministro Tarso Genro, adversário político. Estranho, como tudo que esta revista publica, muito estranho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor de Chapadinha vai a Itapecuru prestar depoimento

O assassinato do empresário Pedro Lopes Fontenelle, em Vargem Grande, ainda é um mistério. Para ajudar a solucionar o caso o pastor Elias Lima, presidente da Assembleia de Deus em Chapadinha, se dirigiu à Delegacia de Itapecuru-Mirim na manhã desta terça-feira (02) para prestar depoimento.
O crime aconteceu na última quarta-feira (27) às margens da BR-222, em frente a uma propriedade que o pastor havia vendido para o empresário. O empresário foi executado com dois tiros e não levaram nada dele.
Segundo um genro do pastor, o irmão Ezequiel Douglas, ele não recebeu qualquer intimação para comparecer ao distrito policial que investiga o caso e se dirigiu de forma espontânea. “Como ninguém sabe quem são os autores nem a motivação do crime, cabe todos que tiveram algum contato recente com a vítima munir as autoridades policiais com toda informação que possa ajudar a solucionar o caso”, afirmou ao blog.
Pedro Lopes Fontenelle tinha 46 anos e atuava no ramo frigorífico em Vargem Grande.

Não Chamem Pra Mesma Mesa o Prefeito e o Cunhado Vereador

A confusão começou numa comemoração de família. Os dois conversavam com o nível etílico um pouco acima do recomendado quando o parlamentar externou suas preocupações com o rumo do governo e o prefeito reagiu contrariado quando ouviu o irmão da primeira-dama lhe dizer que se a eleição fosse hoje ele seria derrotado.
O problema aumentou durante uma recente posse de secretários no gabinete do prefeito. Parecia que ele já estava concluindo mais um dos seus longos discursos quando olhou o vereador entre os presentes e relembrou o diálogo afirmando não levar a sério o diagnóstico. Constrangendo o parlamentar, o prefeito disse que aquilo era conversa de quem estava com algo cheio de cachaça.
O vereador, é claro, não escondeu a contrariedade com a conversa, que havia acontecido em âmbito privado, ser tratada publicamente e principalmente com os termos que o prefeito usou na frente de outros parlamentares e membros da equipe de governo.
Pra piorar, ao saber das reclamações do vereador, o pre…

Top 20 prefeituráveis de 2020

Com metade do mandato do prefeito Magno Bacelar superado as articulações para a sua sucessão devem começar a esquentar e o Blog do Braga traz a lista com os 20 nomes mais cogitados para enfrentar a disputa municipal de 2020.
É possível que outros nomes sejam discutidos até as convenções do ano que e o mais provável é que três ou quatro sejam registrados pelos partidos políticos, mas os nomes mais especulados nas rodas de conversa da cidade e pelo grupos políticos locais até aqui são os seguintes:
Magno Bacelar: Apesar das três condenações com trânsito em julgado no Tribunal de Contas da União (TCU), não dá para deixar de considerar o nome do prefeito que está no cargo, principalmente considerando sua capacidade de se livrar de problemas jurídicos. Dificilmente conseguirá desfazer o atual desgaste do seu governo, mas tem a marca de ter sido o único prefeito reeleito de Chapadinha, em 2004.
Danubia Carneiro: Primeira-dama, ex-prefeita e secretária de Assistência Social. Parece mais inter…