Pular para o conteúdo principal

De estratégia e sacanagem ele entende


Há um triunvirato que dá calafrios do senhor Daniel Dantas. O delegado Protógenes Queiroz, o juiz Fausto De Sanctis, e o procurador Rodrigo De Grandis.

Pois na última sexta-feira, De Grandis entregou a De Sanctis uma denúncia contra Daniel Dantas e sua curriola como desdobramento à operação Satiagraha, comandada por Protógenes.

Sobre Dantas pesam denúncias por formação de quadrilha e organização criminosa, gestão fraudulenta de instituição financeira, evasão de divisas e lavagem de dinheiro. Entre os demais denunciados estão Verônica Dantas, irmã de Daniel, e o testa de fer... digo, o presidente do Opportunity, Dório Ferman, também conhecido por ajudar as campanhas eleitorais de Marcelo Itagiba (PMDB-RJ) e Raul Jungmann (PPS-PE). Humberto Bráz, Carla Cico e Roberto Amaral (não o ex-ministro, o ex-dirigente da construtora Andrade Gutierrez) também não foram esquecidos por De Grandis.

E não pensem que o calvário de Dantas está próximo do fim. As investigações da Satiagraha continuarão e De Grandis ainda pediu a abertura de três novos inquéritos.

Um para aprofundar as investigações sobre os figuras suspeitas, porém ainda não denunciadas, como o ex-cunhado de Dantas (e amigo de Heráclito Fortes) Carlos Rodenburg e o advogado e ex-deputado Luis Eduardo Greenhalgh.

O segundo para investigar a compra da Brasil Telecom pela Oi, na qual estima-se que Dantas teria levado R$ 1 bi.

E um terceiro para investigar a participação de brasileiros que tinha, ilegalmente, cotas do Opportunity Fund, sediado nas Ilhas Cayman.



A participação no suposto mensalão

Diz a denúncia de De Grandis que Carlos Rodenburg, ex-cunhado de Dantas, teria procurado o publicitário (?) Marcos Valério queixando-se do relacionamento ruim entre o governo Lula e o grupo Opportunity. Valério, então, teria feito uma "ponte" entre Rodenburg e Delúbio Soares, à época tesoureiro do PT.

Os dois se encontraram e o emissário do Opportunity teria pedido a Delúbio que tentasse aparar as arestas (leia-se Luiz Gushiken) entre o governo com o grupo. Delúbio teria confirmado que a impressão do governo em relação ao grupo de Dantas era realmente ruim. A denúncia não aprofunda nada além disso.

A denúncia também afirma que a Brasil Telecom, na época controlada pelo Opportunity, tinha contratos com a SMP&B, empresa de Marcos Valério. O contrato teria sido firmado por indicação de Carla Cico, aconselhada por Humberto Bráz.



E a imprensa?

Claro, não poderia faltar a participação de alguém da imprensa.

Em trecho destacado da denúncia aparece a seguinte transcrição de uma fala de Daniel Dantas durante um telefonema:

- Daí sairia uma matéria paga de 7 itens, agora na 1ª PAG. Dos jornais, por o estrago aumentou; (...) acho que de estratégia e sacanagem entendo um pouco, pelo amor de Deus: Aja já.

Mais adiante, com base nas documentações apreendidas, De Grandis afirma que Roberto Amaral era pago por DD e pagava jornalistas. Dois são citados, Giba Um e CLÁUDIO HUMBERTO.

Comentários

Kleber Vinicius disse…
Braga, parabéns pelo blog.
Tenho o lido todos os dias.

Ainda tem muita coisa sobre o mensalão que ainda não sabemos, mas devagar vão aparecendo.

Talvez seja por isso que o governo tenha dado tanto apoio a esse bandido (Daniel Dantas).
Duro agora será aguentar as mirabolâncias jurídicas que o supremo capacho de Dantas já deve estar tentando criar para liberar o "Capo" de mais essa enrascada.

Agora com dois processos, Dantas (teoricamente) estaria em maus lençóis porque o crime passa a assumir um caráter de continuidade (como aconteceu com a Daslu e sua dona) o que agrava muito a pena e as consequências em um processo penal.

Infelizmente, muito pouco pode ser esperado em relação a punições para esse senhor enquanto seu principal servidor não for desmascarado e removido da Suprema Corte brasileira.
Cássio Augusto disse…
Companheiro... meu Blog foi processado pela administração municipal de Nova Londrina... acesse e se puder... divulgue!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor de Chapadinha vai a Itapecuru prestar depoimento

O assassinato do empresário Pedro Lopes Fontenelle, em Vargem Grande, ainda é um mistério. Para ajudar a solucionar o caso o pastor Elias Lima, presidente da Assembleia de Deus em Chapadinha, se dirigiu à Delegacia de Itapecuru-Mirim na manhã desta terça-feira (02) para prestar depoimento.
O crime aconteceu na última quarta-feira (27) às margens da BR-222, em frente a uma propriedade que o pastor havia vendido para o empresário. O empresário foi executado com dois tiros e não levaram nada dele.
Segundo um genro do pastor, o irmão Ezequiel Douglas, ele não recebeu qualquer intimação para comparecer ao distrito policial que investiga o caso e se dirigiu de forma espontânea. “Como ninguém sabe quem são os autores nem a motivação do crime, cabe todos que tiveram algum contato recente com a vítima munir as autoridades policiais com toda informação que possa ajudar a solucionar o caso”, afirmou ao blog.
Pedro Lopes Fontenelle tinha 46 anos e atuava no ramo frigorífico em Vargem Grande.

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

Não Chamem Pra Mesma Mesa o Prefeito e o Cunhado Vereador

A confusão começou numa comemoração de família. Os dois conversavam com o nível etílico um pouco acima do recomendado quando o parlamentar externou suas preocupações com o rumo do governo e o prefeito reagiu contrariado quando ouviu o irmão da primeira-dama lhe dizer que se a eleição fosse hoje ele seria derrotado.
O problema aumentou durante uma recente posse de secretários no gabinete do prefeito. Parecia que ele já estava concluindo mais um dos seus longos discursos quando olhou o vereador entre os presentes e relembrou o diálogo afirmando não levar a sério o diagnóstico. Constrangendo o parlamentar, o prefeito disse que aquilo era conversa de quem estava com algo cheio de cachaça.
O vereador, é claro, não escondeu a contrariedade com a conversa, que havia acontecido em âmbito privado, ser tratada publicamente e principalmente com os termos que o prefeito usou na frente de outros parlamentares e membros da equipe de governo.
Pra piorar, ao saber das reclamações do vereador, o pre…