Pular para o conteúdo principal

PSB vai virar azul?

Matéria assinada por Ana Maria Campos no Correio Braziliense de hoje avisa: PT e PSB não se aliarão no DF.

Confirmando-se a candidatura presidencial do deputado Ciro Gomes, nada mais natural. Afinal de contas, o PT também não deve apoiar as reeleições de Cid Gomes e Eduardo Campos no Ceara e no Pernambuco, respectivamente.

Mesmo não havendo mais a tal verticalização, que engessava as alianças estaduais de acordo com a disputa nacional, quem tem candidato a presidente tende a lançar candidatos nos estados para ajudar a puxar votos.

O que não dá é pro deputado Rodrigo Rollemberg (PSB) querer culpar o PT pelo "racha". Ao que tudo indica o PT vai lançar o ex-ministro Agnelo Queiroz para a eleição a governador e o deputado Geraldo Magela (PT), saindo da disputa com Agnelo, deve ser candidato a senador.

Pronto.

Isto faria com que as duas vagas para senador e a vaga de vice-governador deixassem de estar disponíveis para a negociação e inviabilizaria a aliança PT-PSB.

Rollemberg queria lançar dois candidatos a senador do PSB? Ele e o Rogério Ulysses? É isso?

Menos deputado, menos.


Roriz e Rollemberg

Agnelo e Gim Argello apoiarão Dilma, Arruda apoiará Serra. Qual candidato apoiaria Ciro Gomes? Reguffe, como já disse, deve ficar de mãos abanando. As opções seriam uma candidatura própria do PSB ou Joaquim Roriz.

Esdrúxulo? Há um certo tempo seria, mas não é mais.

Numa recente conversa entre Rollemberg e Rori uma possibilidade estranha acabou sendo ventilada. Roriz, filiado ao PSB ou noutro partido que se coligasse com o PSB, seria candidato a governador com Rollemberg sendo lançado ao Senado e para garantir que o partido cumprisse a cláusula de desempenho no DF, Jaqueline Roriz seria candidata a deputada federal pelos socialistas?

Pura especulação? Espero.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor de Chapadinha vai a Itapecuru prestar depoimento

O assassinato do empresário Pedro Lopes Fontenelle, em Vargem Grande, ainda é um mistério. Para ajudar a solucionar o caso o pastor Elias Lima, presidente da Assembleia de Deus em Chapadinha, se dirigiu à Delegacia de Itapecuru-Mirim na manhã desta terça-feira (02) para prestar depoimento.
O crime aconteceu na última quarta-feira (27) às margens da BR-222, em frente a uma propriedade que o pastor havia vendido para o empresário. O empresário foi executado com dois tiros e não levaram nada dele.
Segundo um genro do pastor, o irmão Ezequiel Douglas, ele não recebeu qualquer intimação para comparecer ao distrito policial que investiga o caso e se dirigiu de forma espontânea. “Como ninguém sabe quem são os autores nem a motivação do crime, cabe todos que tiveram algum contato recente com a vítima munir as autoridades policiais com toda informação que possa ajudar a solucionar o caso”, afirmou ao blog.
Pedro Lopes Fontenelle tinha 46 anos e atuava no ramo frigorífico em Vargem Grande.

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

Não Chamem Pra Mesma Mesa o Prefeito e o Cunhado Vereador

A confusão começou numa comemoração de família. Os dois conversavam com o nível etílico um pouco acima do recomendado quando o parlamentar externou suas preocupações com o rumo do governo e o prefeito reagiu contrariado quando ouviu o irmão da primeira-dama lhe dizer que se a eleição fosse hoje ele seria derrotado.
O problema aumentou durante uma recente posse de secretários no gabinete do prefeito. Parecia que ele já estava concluindo mais um dos seus longos discursos quando olhou o vereador entre os presentes e relembrou o diálogo afirmando não levar a sério o diagnóstico. Constrangendo o parlamentar, o prefeito disse que aquilo era conversa de quem estava com algo cheio de cachaça.
O vereador, é claro, não escondeu a contrariedade com a conversa, que havia acontecido em âmbito privado, ser tratada publicamente e principalmente com os termos que o prefeito usou na frente de outros parlamentares e membros da equipe de governo.
Pra piorar, ao saber das reclamações do vereador, o pre…