Pular para o conteúdo principal

Sou uma menina estuprada por usar mini-saia

Apesar o nome egocêntrico (Blogue do Braga), não gosto de fazer deste um espaço de desabafos pessoais, mas compartilharei com vocês algumas experiências que tive neste 2009.

No início do ano, quando ainda morava na Asa Norte, bairro de classe média alta e cheio de gangues, meu carro foi arrombado durante uma madrugada estacionado do lado meu prédio. Levaram o rádio e mais alguns pertences. Quando vi a cena, já de manhã, pensei: "Como sou azarado, logo o meu carro".

Alguns meses depois, quando nasceu minha filha, decidimos me mudar para o Cruzeiro, um bairro mais pacato, pelo menos era o que eu pensava.

Com uma criança recém-nascida decidimos contratar uma diarista. Na terceira ou quarta vez que a mulher se diria ao meu apartamento foi assaltada e espancada já quase chegando. Acompanhei-a à delegacia pensando: "Mas será que nem aqui no Cruzeiro se pode ter paz?".

A mulher não quis mais saber de trabalhar naquela região e tivemos de contratar outra diarista. No primeiro dia de trabalho ela furtou algumas jóias que minha filha ganhara de presente e uma quantia em dinheiro. Fui à delegacia de novo já pensando: "Só pode ter algum problema comigo. Deve ser porque eu não repasso as correntes de emeio que enchem minha caixa".

Hoje voltei à delegacia para fazer mais um boletim de ocorrência. Mais uma vez entraram no meu carro durante a madrugada e roubaram alguns pertences. O que devo pensar agora? Eu e mais cinco vizinhos que também foram vítimas do mesmo tipo de crime na mesma noite! Aquele curioso encontro no setor de perícia da polícia teve quorum maior do que muita reunião de condomínio, diga-se.


De quem é a culpa?

Quando fui fazer a perícia do primeiro arrombamento, um dos policiais perguntou se o carro tinha trava elétrica. "Não, não tem", respondi. "Tem que ter. Sempre que o ladrão ver um carro sem trava ele vai lá e rouba", afirmou o policial meio indignado com minha "displicência". Alguns minutos depois ele voltou e me indicou um amigo dele que instala trava e alarme em carros.

Não o respondi. Se o tivesse feito, seria preso por desacato a autoridade.

Responsabilizar o roubado por não ter se protegido corretamente contra o roubo é como culpar uma moça estuprada por usar mini-saia.

A verdade é que o GDF do Zé Arruda não tem política de segurança pública nem de inclusão digital. É por essas e outras que ele vai voltar pra Itajubá.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor de Chapadinha vai a Itapecuru prestar depoimento

O assassinato do empresário Pedro Lopes Fontenelle, em Vargem Grande, ainda é um mistério. Para ajudar a solucionar o caso o pastor Elias Lima, presidente da Assembleia de Deus em Chapadinha, se dirigiu à Delegacia de Itapecuru-Mirim na manhã desta terça-feira (02) para prestar depoimento.
O crime aconteceu na última quarta-feira (27) às margens da BR-222, em frente a uma propriedade que o pastor havia vendido para o empresário. O empresário foi executado com dois tiros e não levaram nada dele.
Segundo um genro do pastor, o irmão Ezequiel Douglas, ele não recebeu qualquer intimação para comparecer ao distrito policial que investiga o caso e se dirigiu de forma espontânea. “Como ninguém sabe quem são os autores nem a motivação do crime, cabe todos que tiveram algum contato recente com a vítima munir as autoridades policiais com toda informação que possa ajudar a solucionar o caso”, afirmou ao blog.
Pedro Lopes Fontenelle tinha 46 anos e atuava no ramo frigorífico em Vargem Grande.

Não Chamem Pra Mesma Mesa o Prefeito e o Cunhado Vereador

A confusão começou numa comemoração de família. Os dois conversavam com o nível etílico um pouco acima do recomendado quando o parlamentar externou suas preocupações com o rumo do governo e o prefeito reagiu contrariado quando ouviu o irmão da primeira-dama lhe dizer que se a eleição fosse hoje ele seria derrotado.
O problema aumentou durante uma recente posse de secretários no gabinete do prefeito. Parecia que ele já estava concluindo mais um dos seus longos discursos quando olhou o vereador entre os presentes e relembrou o diálogo afirmando não levar a sério o diagnóstico. Constrangendo o parlamentar, o prefeito disse que aquilo era conversa de quem estava com algo cheio de cachaça.
O vereador, é claro, não escondeu a contrariedade com a conversa, que havia acontecido em âmbito privado, ser tratada publicamente e principalmente com os termos que o prefeito usou na frente de outros parlamentares e membros da equipe de governo.
Pra piorar, ao saber das reclamações do vereador, o pre…

Top 20 prefeituráveis de 2020

Com metade do mandato do prefeito Magno Bacelar superado as articulações para a sua sucessão devem começar a esquentar e o Blog do Braga traz a lista com os 20 nomes mais cogitados para enfrentar a disputa municipal de 2020.
É possível que outros nomes sejam discutidos até as convenções do ano que e o mais provável é que três ou quatro sejam registrados pelos partidos políticos, mas os nomes mais especulados nas rodas de conversa da cidade e pelo grupos políticos locais até aqui são os seguintes:
Magno Bacelar: Apesar das três condenações com trânsito em julgado no Tribunal de Contas da União (TCU), não dá para deixar de considerar o nome do prefeito que está no cargo, principalmente considerando sua capacidade de se livrar de problemas jurídicos. Dificilmente conseguirá desfazer o atual desgaste do seu governo, mas tem a marca de ter sido o único prefeito reeleito de Chapadinha, em 2004.
Danubia Carneiro: Primeira-dama, ex-prefeita e secretária de Assistência Social. Parece mais inter…