Pular para o conteúdo principal

Não seria do jogo

Há alguns dias escrevi aqui sobre o tal lance no qual o jogador Thierry Henry arrumou a bola com a mão antes de cruzar para o zagueiro Gallas marcar o gol que classificou a França pra Copa do Mundo e tirou a coitada da Irlanda.

Disse naquela ocasião: "Sinceramente, isto é do futebol. Não é da vida, não é da política, não é nem exemplo pra ninguém, mas é do futebol. Na pelada, "pediu pra parar, parou". No futebol, o juiz apitou para o lance, não apitou segue o jogo. (...) A não ser quanto é uma questão de direito, não creio que o jogador deva ser obrigado a se acusar."

E mantenho minha posição.

Se um jogador marca um gol sabendo que está em posição de empedimento e o bandeirinha não marca a irregularidade ele deve avisar o juiz pra anular o gol? Não. É do jogo.

Mas e se o jogador chuta à meta adversária, a bola bate na rede pela lado de fora e o juiz assinala gol? Bem, isso não é o jogo.

Um time entregar uma partida, seja pelo motivo que for, não é do jogo.

A partida disputa logo mais entre Flamengo/TV Globo e o Grêmio entrará para história, isto é certo. Basta saber se lá na frente, quando lembrarmos desta parte o gremista poderá permanecer de cabeça erguida, com honra.

Podem dizer: "E os times que jogam com time reserva no meio do campeonato para poupar o titular para outras competições?".

Estes, meus caros, o fazem para "poupar o time titular para outras competições", não para entregar a partida, para bular o caminho natural do esporte e evitar que um terceiro time de beneficie.


Grêmio X Chapadinha

O caso do Chapadinha, que perdeu por 11 X 0 levando 9 gols nos últimos 10 minutos de jogo na segunda divisão do campeonato maranhense ficou famoso até no exterior. Não tem falta de iluminação que explique o fato, até porque se não havia refletores no estádio a falta de iluminação era para os dois times.

O Chapadinha entregou o jogo. Se houve alguma negociação envolvendo dinheiro ou se o clube queria apenas impedir que o Moto Clube, rebaixado no início desse ano, voltasse à primeira divisão do maranhense já no ano que vem eu não sei, mas o que importa é que o Chapadinha entregou o jogo.

Resultado: O Chapadinha foi banido do futebol!


Qual seria a diferença pra máfia do apito?

O ex-árbitro Edilson Pereira de Carvalho se envolveu com uma máfia que manipulava resultados de partidas de futebol para ganhar dinheiro com apostas. As manipulações de Edilson, inclusive, fizeram com que o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) anulasse as 11 partidas que ele havia apitado no Brasileirão de 2005. A remarcação das partidas foi decisiva para que o Corinthians fosse o campeão daquele ano.

Edilson, obviamente, foi banido do futebol.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor de Chapadinha vai a Itapecuru prestar depoimento

O assassinato do empresário Pedro Lopes Fontenelle, em Vargem Grande, ainda é um mistério. Para ajudar a solucionar o caso o pastor Elias Lima, presidente da Assembleia de Deus em Chapadinha, se dirigiu à Delegacia de Itapecuru-Mirim na manhã desta terça-feira (02) para prestar depoimento.
O crime aconteceu na última quarta-feira (27) às margens da BR-222, em frente a uma propriedade que o pastor havia vendido para o empresário. O empresário foi executado com dois tiros e não levaram nada dele.
Segundo um genro do pastor, o irmão Ezequiel Douglas, ele não recebeu qualquer intimação para comparecer ao distrito policial que investiga o caso e se dirigiu de forma espontânea. “Como ninguém sabe quem são os autores nem a motivação do crime, cabe todos que tiveram algum contato recente com a vítima munir as autoridades policiais com toda informação que possa ajudar a solucionar o caso”, afirmou ao blog.
Pedro Lopes Fontenelle tinha 46 anos e atuava no ramo frigorífico em Vargem Grande.

Não Chamem Pra Mesma Mesa o Prefeito e o Cunhado Vereador

A confusão começou numa comemoração de família. Os dois conversavam com o nível etílico um pouco acima do recomendado quando o parlamentar externou suas preocupações com o rumo do governo e o prefeito reagiu contrariado quando ouviu o irmão da primeira-dama lhe dizer que se a eleição fosse hoje ele seria derrotado.
O problema aumentou durante uma recente posse de secretários no gabinete do prefeito. Parecia que ele já estava concluindo mais um dos seus longos discursos quando olhou o vereador entre os presentes e relembrou o diálogo afirmando não levar a sério o diagnóstico. Constrangendo o parlamentar, o prefeito disse que aquilo era conversa de quem estava com algo cheio de cachaça.
O vereador, é claro, não escondeu a contrariedade com a conversa, que havia acontecido em âmbito privado, ser tratada publicamente e principalmente com os termos que o prefeito usou na frente de outros parlamentares e membros da equipe de governo.
Pra piorar, ao saber das reclamações do vereador, o pre…

Top 20 prefeituráveis de 2020

Com metade do mandato do prefeito Magno Bacelar superado as articulações para a sua sucessão devem começar a esquentar e o Blog do Braga traz a lista com os 20 nomes mais cogitados para enfrentar a disputa municipal de 2020.
É possível que outros nomes sejam discutidos até as convenções do ano que e o mais provável é que três ou quatro sejam registrados pelos partidos políticos, mas os nomes mais especulados nas rodas de conversa da cidade e pelo grupos políticos locais até aqui são os seguintes:
Magno Bacelar: Apesar das três condenações com trânsito em julgado no Tribunal de Contas da União (TCU), não dá para deixar de considerar o nome do prefeito que está no cargo, principalmente considerando sua capacidade de se livrar de problemas jurídicos. Dificilmente conseguirá desfazer o atual desgaste do seu governo, mas tem a marca de ter sido o único prefeito reeleito de Chapadinha, em 2004.
Danubia Carneiro: Primeira-dama, ex-prefeita e secretária de Assistência Social. Parece mais inter…