Pular para o conteúdo principal

Prioridade à Juventude

Por Zé Dirceu

Nesta semana, estive em um debate organizado pela Juventude do PT em Minas Gerais sobre os desafios à política nacional de juventude. Saí do encontro mais convicto de que preparar o Brasil para o futuro passa por introduzir a juventude em nossas políticas públicas.

Não restam dúvidas do quanto avançamos no governo Lula: saímos de um profundo sucateamento das políticas públicas e alcançamos um patamar mínimo de valorização do jovem.

De fato, foram várias realizações: da reestruturação do ensino superior - com a construção de 14 novas universidades - ao Enem e ProUni, passando pela instituição do piso salarial do professor, pela entrega de 240 novas escolas técnicas, criação de 15 milhões de empregos e valorização do salário mínimo. Trata-se de um conjunto de ações que permitem devolver ao jovem esperança e perspectivas.

Contudo, há ainda muito por fazer até 2014. Na educação, os caminhos já foram indicados pela presidente Dilma Rousseff e abarcam políticas tanto para a infância como para a juventude. Por exemplo: fazer 6.000 novas creches; ampliar a Rede Cegonha, lançada em março, em Belo Horizonte; construir 200 novas escolas técnicas; e fortalecer a qualidade do ensino, com o aprimoramento e a formação de professores, mas também com medidas como o Programa Nacional de Acesso à Escola Técnica (Pronatec), que associa o Bolsa Família a um curso de formação profissional. Haverá R$ 1 bilhão no programa.

A educação é vital, mas é preciso envolver outras áreas.Articular as políticas com ações voltadas à Copa e às Olimpíadas é um caminho para legar um novo patamar de vida ao jovem. Nesse sentido, não podemos deixar para depois a reforma do SUS e o enfrentamento do crack, que se alastra nas grandes cidades, definhando parcela das próximas gerações. O Programa Nacional de Combate ao Crack, lançado no ano passado, tem o objetivo de atacar esse problema.

Ao mesmo tempo, é crucial combater a violência com saídas como as UPPs, mas também controlando melhor as fronteiras e com ações de inteligência que desarticulem as quadrilhas.
Nesse capítulo, há políticas sociais decisivas: vale-cultura, construção de quadras poliesportivas e laboratórios em escolas do ensino médio, estímulo ao empreendedorismo e valorização da produção cultural local e comunitária, que dão voz e identidade e ampliam a participação do jovem. Cito as experiências com grafiteiros na gestão do PT em São Paulo.

Finalmente, priorizar o transporte público, com melhoria na qualidade e quantidade dos ônibus, tarifas mais acessíveis e conjunção com metrô e trens. Isso é vital porque os estudantes passam muito tempo se locomovendo em veículos lotados e sem o mínimo de conforto que permita ler e estudar no trajeto, além de roubar tempo precioso de lazer e convívio social.

Olhar para o jovem agora e envolvê-los nas decisões é garantir o elo entre as diferentes gerações e, assim, o futuro do país.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor de Chapadinha vai a Itapecuru prestar depoimento

O assassinato do empresário Pedro Lopes Fontenelle, em Vargem Grande, ainda é um mistério. Para ajudar a solucionar o caso o pastor Elias Lima, presidente da Assembleia de Deus em Chapadinha, se dirigiu à Delegacia de Itapecuru-Mirim na manhã desta terça-feira (02) para prestar depoimento.
O crime aconteceu na última quarta-feira (27) às margens da BR-222, em frente a uma propriedade que o pastor havia vendido para o empresário. O empresário foi executado com dois tiros e não levaram nada dele.
Segundo um genro do pastor, o irmão Ezequiel Douglas, ele não recebeu qualquer intimação para comparecer ao distrito policial que investiga o caso e se dirigiu de forma espontânea. “Como ninguém sabe quem são os autores nem a motivação do crime, cabe todos que tiveram algum contato recente com a vítima munir as autoridades policiais com toda informação que possa ajudar a solucionar o caso”, afirmou ao blog.
Pedro Lopes Fontenelle tinha 46 anos e atuava no ramo frigorífico em Vargem Grande.

Não Chamem Pra Mesma Mesa o Prefeito e o Cunhado Vereador

A confusão começou numa comemoração de família. Os dois conversavam com o nível etílico um pouco acima do recomendado quando o parlamentar externou suas preocupações com o rumo do governo e o prefeito reagiu contrariado quando ouviu o irmão da primeira-dama lhe dizer que se a eleição fosse hoje ele seria derrotado.
O problema aumentou durante uma recente posse de secretários no gabinete do prefeito. Parecia que ele já estava concluindo mais um dos seus longos discursos quando olhou o vereador entre os presentes e relembrou o diálogo afirmando não levar a sério o diagnóstico. Constrangendo o parlamentar, o prefeito disse que aquilo era conversa de quem estava com algo cheio de cachaça.
O vereador, é claro, não escondeu a contrariedade com a conversa, que havia acontecido em âmbito privado, ser tratada publicamente e principalmente com os termos que o prefeito usou na frente de outros parlamentares e membros da equipe de governo.
Pra piorar, ao saber das reclamações do vereador, o pre…

Top 20 prefeituráveis de 2020

Com metade do mandato do prefeito Magno Bacelar superado as articulações para a sua sucessão devem começar a esquentar e o Blog do Braga traz a lista com os 20 nomes mais cogitados para enfrentar a disputa municipal de 2020.
É possível que outros nomes sejam discutidos até as convenções do ano que e o mais provável é que três ou quatro sejam registrados pelos partidos políticos, mas os nomes mais especulados nas rodas de conversa da cidade e pelo grupos políticos locais até aqui são os seguintes:
Magno Bacelar: Apesar das três condenações com trânsito em julgado no Tribunal de Contas da União (TCU), não dá para deixar de considerar o nome do prefeito que está no cargo, principalmente considerando sua capacidade de se livrar de problemas jurídicos. Dificilmente conseguirá desfazer o atual desgaste do seu governo, mas tem a marca de ter sido o único prefeito reeleito de Chapadinha, em 2004.
Danubia Carneiro: Primeira-dama, ex-prefeita e secretária de Assistência Social. Parece mais inter…