Pular para o conteúdo principal

Dulcilene dá entrevista pra negar troca e alfineta Isamara

Disputa nos bastidores até o último minuto

A empresária e pré-candidata a prefeita pelo PRB, Maria Dulcilene, concedeu sua primeira entrevista desde que o ex-prefeito Isaías Fortes inventou sua candidatura. 

A entrevista, concedida com exclusividade ao portal Local Notícias, começou reafirmando sua condição de pré-candidata e negando os boatos que correm a cidade dando conta que poderia "desistir" até a data da convenção oficial e ser substituída pela ex-candidata a deputada estadual Isamara Menezes. 

A palavra "desistir" foi colocada por bondade de quem a entrevistou. O corre a boca pequena é que o grupo estaria desistindo dela pela falta de habilidade na condução política e por não ter conseguido até agora agregar outras forças, um dos principais argumentos pelo seu nome dentro do grupo. Ela teria garantido ao grupo que levaria o PT e os partidos da 3ª via (clique aqui para ler a importância disso), mas, ao que tudo indica, rumam para o isolamento político.


Alfinetada

Tentando demonstrar firmeza na disputa interna, Dulcilene se refere a Isamara como "a candidata com o qual os adversários gostariam de disputar". Não me parece o estilo de afirmação da pré-candidata, geralmente insegura no que diz e medindo cada palavra para não falar besteira, mas os cursinhos feitos em São Paulo podem ter tido impacto inverso na preparação para a campanha.

Politicamente, não pegaria bem uma mudança de candidata a essa altura dos acontecimentos, até porque a empresária já investiu bastante na pré-campanha, mas também não pegou bem o rompimento de acordo com Vagner Pessoa e nem por isso eles deixaram de romper.

Pode tudo não passar de boato, mas o fantasma de mudança de candidatura resistirá até o final deste mês. Ou, como diria Flávio José, "pode acontecer tudo, inclusive nada".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor de Chapadinha vai a Itapecuru prestar depoimento

O assassinato do empresário Pedro Lopes Fontenelle, em Vargem Grande, ainda é um mistério. Para ajudar a solucionar o caso o pastor Elias Lima, presidente da Assembleia de Deus em Chapadinha, se dirigiu à Delegacia de Itapecuru-Mirim na manhã desta terça-feira (02) para prestar depoimento.
O crime aconteceu na última quarta-feira (27) às margens da BR-222, em frente a uma propriedade que o pastor havia vendido para o empresário. O empresário foi executado com dois tiros e não levaram nada dele.
Segundo um genro do pastor, o irmão Ezequiel Douglas, ele não recebeu qualquer intimação para comparecer ao distrito policial que investiga o caso e se dirigiu de forma espontânea. “Como ninguém sabe quem são os autores nem a motivação do crime, cabe todos que tiveram algum contato recente com a vítima munir as autoridades policiais com toda informação que possa ajudar a solucionar o caso”, afirmou ao blog.
Pedro Lopes Fontenelle tinha 46 anos e atuava no ramo frigorífico em Vargem Grande.

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

Não Chamem Pra Mesma Mesa o Prefeito e o Cunhado Vereador

A confusão começou numa comemoração de família. Os dois conversavam com o nível etílico um pouco acima do recomendado quando o parlamentar externou suas preocupações com o rumo do governo e o prefeito reagiu contrariado quando ouviu o irmão da primeira-dama lhe dizer que se a eleição fosse hoje ele seria derrotado.
O problema aumentou durante uma recente posse de secretários no gabinete do prefeito. Parecia que ele já estava concluindo mais um dos seus longos discursos quando olhou o vereador entre os presentes e relembrou o diálogo afirmando não levar a sério o diagnóstico. Constrangendo o parlamentar, o prefeito disse que aquilo era conversa de quem estava com algo cheio de cachaça.
O vereador, é claro, não escondeu a contrariedade com a conversa, que havia acontecido em âmbito privado, ser tratada publicamente e principalmente com os termos que o prefeito usou na frente de outros parlamentares e membros da equipe de governo.
Pra piorar, ao saber das reclamações do vereador, o pre…