Pular para o conteúdo principal

Tem ladrão que fala em corrupção

"Ao renunciar à liberdade, o homem abre mão da própria qualidade que o define como humano"

(Jean-Jacque Rousseau)

Meus amigos, minhas amigas,

Mais uma vez sou obrigado a utilizar este espaço para responder acusações leviana dirigidas a mim por consequência da minha atuação política. Como já disse antes, a eles só resta tentar atacar, já que todo aquele favoritismo que sua candidata tinha há um ano começa a ruir com a chegada da campanha eleitoral. Não sou candidato a prefeito em 2012, não serei eu que derrotarei a candidata deles, mas desperto os instintos mais primitivos naqueles que se escondem atrás do discurso de combate a corrupção para defender a mentira, a truculência, o atraso... e a corrupção.

A tática do bando não é uma tentativa de me calar, eles sabem que não têm poder pra isso. O que querem é constranger outras pessoas para que ninguém mais, assim como eu, aponte os absurdos de quem fala em corrupção subindo no palanque no qual um ex-prefeito que quase foi cassado e hoje é inelegível dá as cartas.

A publicação de um suposto contracheque meu, desrespeitando a lei, o direito a privacidade e qualquer noção de jornalismo aceitável (na linha "Se as denúncias não condizem com a verdade, eles que provem") é apenas uma mostra do que o bando é capaz de fazer contra adversários se voltar a ter o comando da prefeitura de Chapadinha. 


Contracheque verdadeiro, assinado e datado
Valor bem abaixo do publicado pelo bando

Se a tentativa era me constranger, deram com os burros n'água. Eu tenho orgulho do meu patrimônio ser justificado pela renda declarada que eu tenho, não recebo um centavo por fora pra ficar o dia todo em blog's e facebook como uns e outros que querem dar lição de moral apontando exatamente um acerto. E vamos combinar que apoiador de Dulcilene deveria fugir deste debate sobre renda, patrimônio e "por fora" como o diabo foge da cruz.

A Secretaria Municipal de Administração já se pronunciou sobre o assunto e reafirmou a legalidade da Gratificação Especial de Desempenho, instituída pela lei 1.083, de 21 de janeiro de 2009, aprovada  por unanimidade nas comissões de Orçamento, de Justiça e em plenário pela Câmara de Vereadores, inclusive com voto favorável do vereador Marcelo Menezes e da então vereadora Raimundinha, pré-candidatos pelo grupo de oposição.

Se a lei, que nunca foi questionada mesmo há mais de três anos em vigor, é constitucional, a Justiça deve se pronunciar sendo instigada pra tal. De toda forma, o grave crime que cometi foi apontar a hipocrisia dos fariseus. E não vou parar. Não temo represália, violência física ou perseguição política. Só temo um dia servir de capacho como os babões que hoje me atacam.

O surpreendente é eles acharem que estão ganhando voto com a truculência contra adversários. Já disse em outro texto que metade dos apoiadores de Dulcilene a apoia só por causa do Isaías, a outra metade só apoia porque jura que ela não tem nada a ver com Isaías. Com o chegar da campanha ficará claro para toda a sociedade que ela é apenas uma laranja (ainda vem muita coisa sobre laranjal) do seu líder maior e que sua candidatura só foi inventada porque o chefe é inelegível e precisava uma candidata com dinheiro (única qualidade que ela supostamente tem). Isto, é claro, se até as convenções não houver alguma surpresa, como se comenta nos bastidores.

Ainda os incomodarei muito.

"Se eles se importam o suficiente para se incomodar com o que eu faço, então já estou melhor do que eles"

(Marilyn Monroe)

Comentários

Anônimo disse…
A liberdade política no Município de Chapadinha está ameaçada. O populismo arcaico e desatualizado começa a mostrar que faltam argumentos para justificar o retorno do atraso administrativo,das perseguições e violências físicas, com táticas desprezíveis e sem fundamentações plausíveis. Quando o desemprego e a fome dominavam o triste cenário do nosso cotidiano, a ignorância de uma minoria que manobrava massas inteiras de trabalhadores rurais e uma parcela de aproveitadores mercantis do dinheiro público apoiávam-se na ideia absurda de que o caminho certo seria dar dinheiro à população sofrida, e que ainda tinham de suportar o exercício da sua cidadania sendo desprezada com o convite realizado por meio de berrantes que tangem gado. Como animais irracionais tratam seus eleitores e de tão cegos, não enxergam que os eleitores de hoje são filhos e netos que tiveram a oportunidade de estudarem e perceberem de forma crítica e construtiva, que o passado dos seus pais e avós era o que mais os entristecia. Não me engano e procuro até manter-me distante desse processo retroativo que poucos querem novamente instalar em nossas vidas porque sei que o tempo foi capaz de abrir os olhos dos antigos miseráveis, e que de agora em diante sua prole terá a oportunidade de integrar-se e participar da inclusão digital, mostrando, sem medo de represálias, que querem progredir, interagir, diferentemente de meia dúzia de oportunistas que criam um espaço e de acordo com seu bel prazer mascaram percentuais e afirmam ideias que bem entendem com o objetivo de confundir a grande e esclarecida massa atual de jovens,adultos e idosos que jamais permitiram o retrocesso.

Christiano Leal

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor de Chapadinha vai a Itapecuru prestar depoimento

O assassinato do empresário Pedro Lopes Fontenelle, em Vargem Grande, ainda é um mistério. Para ajudar a solucionar o caso o pastor Elias Lima, presidente da Assembleia de Deus em Chapadinha, se dirigiu à Delegacia de Itapecuru-Mirim na manhã desta terça-feira (02) para prestar depoimento.
O crime aconteceu na última quarta-feira (27) às margens da BR-222, em frente a uma propriedade que o pastor havia vendido para o empresário. O empresário foi executado com dois tiros e não levaram nada dele.
Segundo um genro do pastor, o irmão Ezequiel Douglas, ele não recebeu qualquer intimação para comparecer ao distrito policial que investiga o caso e se dirigiu de forma espontânea. “Como ninguém sabe quem são os autores nem a motivação do crime, cabe todos que tiveram algum contato recente com a vítima munir as autoridades policiais com toda informação que possa ajudar a solucionar o caso”, afirmou ao blog.
Pedro Lopes Fontenelle tinha 46 anos e atuava no ramo frigorífico em Vargem Grande.

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

Não Chamem Pra Mesma Mesa o Prefeito e o Cunhado Vereador

A confusão começou numa comemoração de família. Os dois conversavam com o nível etílico um pouco acima do recomendado quando o parlamentar externou suas preocupações com o rumo do governo e o prefeito reagiu contrariado quando ouviu o irmão da primeira-dama lhe dizer que se a eleição fosse hoje ele seria derrotado.
O problema aumentou durante uma recente posse de secretários no gabinete do prefeito. Parecia que ele já estava concluindo mais um dos seus longos discursos quando olhou o vereador entre os presentes e relembrou o diálogo afirmando não levar a sério o diagnóstico. Constrangendo o parlamentar, o prefeito disse que aquilo era conversa de quem estava com algo cheio de cachaça.
O vereador, é claro, não escondeu a contrariedade com a conversa, que havia acontecido em âmbito privado, ser tratada publicamente e principalmente com os termos que o prefeito usou na frente de outros parlamentares e membros da equipe de governo.
Pra piorar, ao saber das reclamações do vereador, o pre…