Pular para o conteúdo principal

Auxílio-reclusão e bolsa-bandido


A expansão do acesso à internet e a popularização das chamadas "redes sociais" representam avanços para a democratização da comunicação tirando o oligopólio das mãos das empresas familiares que dominam o setor com seus interesses econômicos, políticos e ideológicos.

Porém, é necessário muito cuidado com as informações que se espalham rapidamente pela rede, dificultando a identificação das fontes, o chamado "viral". Muitas vezes eles são compartilhados por bem-intencionados, mas criados ou distorcidos por mal-intencionados. Basta uma rápida pesquisa em mecanismos como o google para se perceber que boa parte das frases que vêm sendo atribuídas aos deputados Marco Feliciano e, principalmente, Jean Wyllys, são falsas, por exemplo.

Mais do que suas excelências, quem vem tendo suas informações seguidamente distorcidas nas redes sociais nos últimos tempos é o "Auxílio-reclusão", benefício social criado pela lei 3.807 de 26 de agosto de 1960

Tratado como "bolsa-bandido", os virais que tem se espalhado afirmam que os presos brasileiros receberiam R$ 971,78 por mês, valor acima do salário mínimo. A ideia de quem criou o viral é dizer que o Brasil é um país absurdo, no qual o preso é mais valorizado que o trabalhador e que o benefício incentiva a criminalidade.

Que se levantem contra um benefício voltado para os pobres não é novidade, nem surpresa, principalmente com a vitória cultural da ideologia "bandido bom, é bandido morto", mas é necessário esclarecer alguns pontos. 

O auxílio-reclusão não é destinado a nenhum preso. É um benefício destinados aos dependentes de um trabalhador, contribuinte com o INSS, que venha a ser preso. 

Imaginemos duas circunstâncias. 

Uma mulher pobre vítima de violência doméstica. Além da afetividade que geralmente resiste em relação ao seu agressor enquanto ela tem esperança da violência cessar, ela se coloca numa encruzilhada quando perde essa esperança. Como as mulheres são ensinadas desde a infância pela sociedade machista a serem dependentes dos seus maridos, muitas vezes (não conhecem o auxílio-reclusão e) deixam de denunciá-los para não ficar sem o "provedor do lar". A existência do benefício e a informação correta sobre ele é o que muitas vezes permite que ela se liberte da condição de refém domiciliar e tome coragem para denunciar e exigir a punição do agressor.

Ainda assim, há aqueles que são contra. 

Imaginemos então uma segunda situação. Esta mesma mulher do primeiro cenário, cansada da violência doméstica denuncia o seu agressor e ele fica preso. Ela e seus filhos ficam sem benefício, sem amparo algum, ficam na miséria. No limite da luta pela sobrevivência, um deles arranja uma arma e, três dias antes de completar 18 anos de idade, vai assaltar um transeunte numa ruela próxima ao centro da cidade. Trêmulo, nervoso na sua primeira tentativa de crime, o jovem acaba atirando e matando o assaltado, que poderia ser um outro jovem ou um ente querido seu, caro leitor. 

Em meio à sua dor, você poderia gritar por "justiça" e exigir a redução da maioridade penal repetindo o discurso dos programas policialescos de Datena ou Marcelo Resende sem perceber que foi exatamente essa ideologia conservadora de combate aos Direitos Humanos que lhe colocou nessa dor e gera ainda mais violência. 

É necessário rompermos com a visão reacionária. O auxílio-reclusão, repito, é destinado aos dependentes de trabalhadores pobres que sejam presos. É, portanto, uma conquista social e, por isso, incomoda tanto.

Comentários

Anônimo disse…
Alguém poderia me dizer se a família que teve o seu gestor morto por algum destes bandidos tem alguma lei que der direito a esta família ter alguma renda para se manter. O correto seria colocar o bandido/assassino para trabalhar e gerar renda para manter as duas familias.. Bando de fazedores de leis e intelectuais de merda!!!
Anônimo disse…
eu nao sou contra se fazer uma Politica Social para a familia do infrator, sem levar em conta a sua infração, mas dar o dinheiro nao é a solução. A solução é investir fortemente na educação de qualidade. Estamos vivendo uma onda da "bolsa" e estamos criando uma população que tem coisas, mas nao tem formação. O PT, sempre tao contra tudo, mantem o auxilio reclusao e nao faz mais nada pelo preso e por sua familia.
Kevin Edevean disse…
Por favor, tome vergonha na cara.
Defender contraventor é coisa de contraventor.
Defender bandido é coisa de bandido.
Auxílio é o caralho!
Tem que meter fogo no ato da prisão e colocar ordem nesse puteiro!


Postagens mais visitadas deste blog

Pastor de Chapadinha vai a Itapecuru prestar depoimento

O assassinato do empresário Pedro Lopes Fontenelle, em Vargem Grande, ainda é um mistério. Para ajudar a solucionar o caso o pastor Elias Lima, presidente da Assembleia de Deus em Chapadinha, se dirigiu à Delegacia de Itapecuru-Mirim na manhã desta terça-feira (02) para prestar depoimento.
O crime aconteceu na última quarta-feira (27) às margens da BR-222, em frente a uma propriedade que o pastor havia vendido para o empresário. O empresário foi executado com dois tiros e não levaram nada dele.
Segundo um genro do pastor, o irmão Ezequiel Douglas, ele não recebeu qualquer intimação para comparecer ao distrito policial que investiga o caso e se dirigiu de forma espontânea. “Como ninguém sabe quem são os autores nem a motivação do crime, cabe todos que tiveram algum contato recente com a vítima munir as autoridades policiais com toda informação que possa ajudar a solucionar o caso”, afirmou ao blog.
Pedro Lopes Fontenelle tinha 46 anos e atuava no ramo frigorífico em Vargem Grande.

Não Chamem Pra Mesma Mesa o Prefeito e o Cunhado Vereador

A confusão começou numa comemoração de família. Os dois conversavam com o nível etílico um pouco acima do recomendado quando o parlamentar externou suas preocupações com o rumo do governo e o prefeito reagiu contrariado quando ouviu o irmão da primeira-dama lhe dizer que se a eleição fosse hoje ele seria derrotado.
O problema aumentou durante uma recente posse de secretários no gabinete do prefeito. Parecia que ele já estava concluindo mais um dos seus longos discursos quando olhou o vereador entre os presentes e relembrou o diálogo afirmando não levar a sério o diagnóstico. Constrangendo o parlamentar, o prefeito disse que aquilo era conversa de quem estava com algo cheio de cachaça.
O vereador, é claro, não escondeu a contrariedade com a conversa, que havia acontecido em âmbito privado, ser tratada publicamente e principalmente com os termos que o prefeito usou na frente de outros parlamentares e membros da equipe de governo.
Pra piorar, ao saber das reclamações do vereador, o pre…

Mais um empresário se prepara para disputar a Prefeitura

Está difícil manter a contagem de quantos pré-candidatos ao cargo de prefeito de Chapadinha já estão no páreo. Hoje pela manhã foi a vez do empresário Nenezão se filiar ao Partido dos Trabalhadores (PT) se colocando a disposição da legenda para a disputa.
A informação é do presidente do Diretório Municipal, o ex-vereador Manim Lopes, que acredita que uma candidatura própria é o melhor caminho para o partido voltar a ter representatividade local.