Pular para o conteúdo principal

O dilema do PT do Maranhão


Há quatro anos o PT ainda iniciava sua aliança com o PMDB no estado Maranhão. Indicando o candidato a vice-governador da coligação "O Maranhão Não Pode Parar", conseguimos dar a segunda melhor votação proporcional para Dilma Rousseff (79,09%) no nosso estado (perdendo apenas para o Amazonas), além de termos sido decisivos para a eleição em primeiro turno da governadora Roseana Sarney e dos senadores da chapa. 

Naquela oportunidade, não poderia haver titubeio. O PMDB era imprescindível para eleger Dilma, Jackson Lago (PDT) apoiava José Serra (PSDB) e Flávio Dino (PCdoB) estava de volta aos braços de Zé Reinaldo (PSB), da "Frente de Libertação" e do discurso anti-Sarney, mesmo depois de termos feito a campanha para prefeito de São Luís em 2008 com a proposta do "pós-Sarney".

Não tenho dúvida de que tomamos a decisão certa naquele momento, na falta de uma projeto popular para o estado, optamos pelo palanque mais forte para Dilma.

Em 2014, PT e PMDB já não estão em lua de mel. É hora de discutir a relação e avaliar se vale a pena continuar o casamento. Quais as vantagens e desvantagem para cada lado? Para o PT, qual o palanque mais forte para Dilma no estado? Qual o melhor caminho para eleger uma boa bancada na Assembleia?

Em caso de rompimento, candidatura própria improvisada e sem competitividade? Não dá pra levar a sério. O candidato escolhido terminaria sendo laranja de Luis Fernando ou de Flávio Dino. 

E Flávio Dino? Se for abrir palanque para Eduardo Campos, encerro aqui minha reflexão. Sejam felizes, mas ao PT só pode interessar um palanque forte e homogêneo para reeleger Dilma.

Como de costume, este texto tem mais perguntas do que respostas. O caminho não é tão simples como há quatro anos. 


Anti-Sarney

Uma coisa é certa: Não cabe ao PT o discurso vazio do "anti-sarneysmo". Se um dia coube, não cabe mais. 

O senador José Sarney não apenas foi o melhor governador da história do nosso estado no ÚNICO mandato que exerceu entre 1966 e 1970, mas é também um dos mais importantes aliados do governo federal, essencial para manter o apoio do PMDB a Dilma e a governabilidade no Congresso.

Essa conversa fiada de "combate oligarquia" pode dar voto, pode até garantir a eleição de Flávio Dino, mas não passa de bravata. Não dá pra falar em escolha ideológica de campo democrático e popular com Dedé Macedo e Humberto Coutinho (pra ficar em apenas dois nomes). 

Mudança real seria a construção de um projeto popular, coisa que nenhum dos dois grupos representa. A escolha, infelizmente, não será ideológica, apenas pragmática. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor de Chapadinha vai a Itapecuru prestar depoimento

O assassinato do empresário Pedro Lopes Fontenelle, em Vargem Grande, ainda é um mistério. Para ajudar a solucionar o caso o pastor Elias Lima, presidente da Assembleia de Deus em Chapadinha, se dirigiu à Delegacia de Itapecuru-Mirim na manhã desta terça-feira (02) para prestar depoimento.
O crime aconteceu na última quarta-feira (27) às margens da BR-222, em frente a uma propriedade que o pastor havia vendido para o empresário. O empresário foi executado com dois tiros e não levaram nada dele.
Segundo um genro do pastor, o irmão Ezequiel Douglas, ele não recebeu qualquer intimação para comparecer ao distrito policial que investiga o caso e se dirigiu de forma espontânea. “Como ninguém sabe quem são os autores nem a motivação do crime, cabe todos que tiveram algum contato recente com a vítima munir as autoridades policiais com toda informação que possa ajudar a solucionar o caso”, afirmou ao blog.
Pedro Lopes Fontenelle tinha 46 anos e atuava no ramo frigorífico em Vargem Grande.

Não Chamem Pra Mesma Mesa o Prefeito e o Cunhado Vereador

A confusão começou numa comemoração de família. Os dois conversavam com o nível etílico um pouco acima do recomendado quando o parlamentar externou suas preocupações com o rumo do governo e o prefeito reagiu contrariado quando ouviu o irmão da primeira-dama lhe dizer que se a eleição fosse hoje ele seria derrotado.
O problema aumentou durante uma recente posse de secretários no gabinete do prefeito. Parecia que ele já estava concluindo mais um dos seus longos discursos quando olhou o vereador entre os presentes e relembrou o diálogo afirmando não levar a sério o diagnóstico. Constrangendo o parlamentar, o prefeito disse que aquilo era conversa de quem estava com algo cheio de cachaça.
O vereador, é claro, não escondeu a contrariedade com a conversa, que havia acontecido em âmbito privado, ser tratada publicamente e principalmente com os termos que o prefeito usou na frente de outros parlamentares e membros da equipe de governo.
Pra piorar, ao saber das reclamações do vereador, o pre…

Mais um empresário se prepara para disputar a Prefeitura

Está difícil manter a contagem de quantos pré-candidatos ao cargo de prefeito de Chapadinha já estão no páreo. Hoje pela manhã foi a vez do empresário Nenezão se filiar ao Partido dos Trabalhadores (PT) se colocando a disposição da legenda para a disputa.
A informação é do presidente do Diretório Municipal, o ex-vereador Manim Lopes, que acredita que uma candidatura própria é o melhor caminho para o partido voltar a ter representatividade local.