Pular para o conteúdo principal

Os Três Fatores do Impeachment

Um presidente atrapalhado

Nas democracias mais sérias costumam tratar o impeachment presidencial como uma bomba atômica, uma arma que se tem para não utilizar. O presidente deve estar constantemente sob a ameaça da severa punição, mas ela só deve ser usada em casos extremos.

Com pouco mais de 30 anos de democracia o Brasil, país da política sem pudor, utilizou-se do impeachment por duas vezes. Fernando Collor e Dilma Rousseff conseguiram ter contra si dois terços da Câmara e do Senado e caíram.

Jair Bolsonaro, a crise anunciada que venceu a última eleição, escolheu como seu vice-presidente o general Hamilton Mourão para não ser o terceiro presidente cassado. Em tese, ninguém ia querer alguém ainda mais radical do que ele em seu lugar. Desde a posse, porém, Mourão virou comentarista de qualquer notícia ocupando espaço na mídia e suavizando a própria imagem, mas não é este o tema do texto.

Crime de responsabilidade é o ato do presidente da República que atenta contra a Constituição Federal. Portanto, um impeachment deve nascer de um fato jurídico, não da mágoa dos derrotados. Se não houver uma ação cometida pelo chefe de governo consciente e dolosamente contra as determinações constitucionais, não há porque se analisar as demais circunstâncias que levam a este processo.

Ainda assim, mesmo que haja um fato jurídico, é necessário que haja uma razão social. O sistema brasileiro exige que, para ser eleito presidente da República, o cidadão tenha a maioria absoluta dos votos válidos. A regra atual é diferente do que determinava a Constituição de 1946, onde era eleito aquele que tinha mais voto em turno único.

O sistema atual exige que, se não houver maioria absoluta, uma nova votação seja feita entre os dois mais votados para evitar casos como o de 1955, quando Juscelino Kubitschek teve 35% dos votos e venceu os anti-comunistas Juaréz Tavora (30%) e Adhemar de Barros (25%).

Eleito necessariamente pela maioria, o presidente da República não deve ser retirado do cargo se não houver uma clara mobilização social defendendo sua queda. Só, e somente só, nestas circunstâncias as forças políticas devem agir para viabilizar a votação nas duas casas do Congresso Nacional que recebem e julgam a denúncia com o cuidado que não tiveram nos dois casos anteriores.

Fato jurídico, mobilização social e inviabilidade política. Não há, até aqui, nenhum dos fatores necessários para tirar Bolsonaro do cargo. O que há é um governo atrapalhado e quatro longos anos pela frente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor de Chapadinha vai a Itapecuru prestar depoimento

O assassinato do empresário Pedro Lopes Fontenelle, em Vargem Grande, ainda é um mistério. Para ajudar a solucionar o caso o pastor Elias Lima, presidente da Assembleia de Deus em Chapadinha, se dirigiu à Delegacia de Itapecuru-Mirim na manhã desta terça-feira (02) para prestar depoimento.
O crime aconteceu na última quarta-feira (27) às margens da BR-222, em frente a uma propriedade que o pastor havia vendido para o empresário. O empresário foi executado com dois tiros e não levaram nada dele.
Segundo um genro do pastor, o irmão Ezequiel Douglas, ele não recebeu qualquer intimação para comparecer ao distrito policial que investiga o caso e se dirigiu de forma espontânea. “Como ninguém sabe quem são os autores nem a motivação do crime, cabe todos que tiveram algum contato recente com a vítima munir as autoridades policiais com toda informação que possa ajudar a solucionar o caso”, afirmou ao blog.
Pedro Lopes Fontenelle tinha 46 anos e atuava no ramo frigorífico em Vargem Grande.

Não Chamem Pra Mesma Mesa o Prefeito e o Cunhado Vereador

A confusão começou numa comemoração de família. Os dois conversavam com o nível etílico um pouco acima do recomendado quando o parlamentar externou suas preocupações com o rumo do governo e o prefeito reagiu contrariado quando ouviu o irmão da primeira-dama lhe dizer que se a eleição fosse hoje ele seria derrotado.
O problema aumentou durante uma recente posse de secretários no gabinete do prefeito. Parecia que ele já estava concluindo mais um dos seus longos discursos quando olhou o vereador entre os presentes e relembrou o diálogo afirmando não levar a sério o diagnóstico. Constrangendo o parlamentar, o prefeito disse que aquilo era conversa de quem estava com algo cheio de cachaça.
O vereador, é claro, não escondeu a contrariedade com a conversa, que havia acontecido em âmbito privado, ser tratada publicamente e principalmente com os termos que o prefeito usou na frente de outros parlamentares e membros da equipe de governo.
Pra piorar, ao saber das reclamações do vereador, o pre…

Top 20 prefeituráveis de 2020

Com metade do mandato do prefeito Magno Bacelar superado as articulações para a sua sucessão devem começar a esquentar e o Blog do Braga traz a lista com os 20 nomes mais cogitados para enfrentar a disputa municipal de 2020.
É possível que outros nomes sejam discutidos até as convenções do ano que e o mais provável é que três ou quatro sejam registrados pelos partidos políticos, mas os nomes mais especulados nas rodas de conversa da cidade e pelo grupos políticos locais até aqui são os seguintes:
Magno Bacelar: Apesar das três condenações com trânsito em julgado no Tribunal de Contas da União (TCU), não dá para deixar de considerar o nome do prefeito que está no cargo, principalmente considerando sua capacidade de se livrar de problemas jurídicos. Dificilmente conseguirá desfazer o atual desgaste do seu governo, mas tem a marca de ter sido o único prefeito reeleito de Chapadinha, em 2004.
Danubia Carneiro: Primeira-dama, ex-prefeita e secretária de Assistência Social. Parece mais inter…