Pular para o conteúdo principal

Sérgio Moro e a Autorização Para Matar


Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O artigo 23º do Código Penal, que trata da exclusão de ilicitude, define que não há crime quando o fato é praticado: I - em estado de necessidade; II - em legítima defesa; III - em estrito cumprimento de dever legal ou no exercício regular de direito.          

Diz ainda que mesmo assim a pessoa “responderá pelo excesso doloso ou culposo”.

O projeto apresentado hoje pelo ministro Sérgio Moro adiciona ao texto da lei que a pena pode não ser aplicada se o excesso decorrer de “escusável medo, surpresa ou violenta emoção”.

Medo e surpresa são palavras novas no Código Penal. “Violenta emoção” já aparece como atenuante quando o crime sob domínio dela e cometido logo após provocação da vítima, podendo diminuir pena de um sexto a um terço em homicídio simples ou lesão corporal seguida de morte.

Esta mudança não atinge apenas agentes policiais, mas todo cidadão. Sem exigir que a “violenta emoção” seja consequência de provocação da vítima, o projeto, se aprovado, leva homicidas emocionados à impunidade.

Para a Polícia, Acrescenta sem mudar nada
O Código Penal define como legítima defesa “quem, usando moderadamente dos meios necessários, repele injusta agressão, atual ou iminente, a direito seu ou de outrem”. O texto é da lei 7.209, de 1984, quando o Brasil ainda vivia na ditadura militar.

Sérgio Moro quer adicionar a esta definição um parágrafo com dois incisos afirmando que age em legítima defesa o policial que, em conflito armado ou risco iminente, previne injusta e iminente agressão a direito seu, de reféns ou de qualquer outra pessoa.

Exigindo dos policiais o que está no caput do artigo (o uso moderado dos meios necessários) o projeto é mais uma ação de perfumaria. Lembra muito o decreto presidencial que pretendia acabar com as dez exigências para comprar arma de fogo, mas manteve nove e ainda criou uma nova.

O projeto deve passar por alterações e adequações durante a tramitação no Congresso Nacional.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor de Chapadinha vai a Itapecuru prestar depoimento

O assassinato do empresário Pedro Lopes Fontenelle, em Vargem Grande, ainda é um mistério. Para ajudar a solucionar o caso o pastor Elias Lima, presidente da Assembleia de Deus em Chapadinha, se dirigiu à Delegacia de Itapecuru-Mirim na manhã desta terça-feira (02) para prestar depoimento.
O crime aconteceu na última quarta-feira (27) às margens da BR-222, em frente a uma propriedade que o pastor havia vendido para o empresário. O empresário foi executado com dois tiros e não levaram nada dele.
Segundo um genro do pastor, o irmão Ezequiel Douglas, ele não recebeu qualquer intimação para comparecer ao distrito policial que investiga o caso e se dirigiu de forma espontânea. “Como ninguém sabe quem são os autores nem a motivação do crime, cabe todos que tiveram algum contato recente com a vítima munir as autoridades policiais com toda informação que possa ajudar a solucionar o caso”, afirmou ao blog.
Pedro Lopes Fontenelle tinha 46 anos e atuava no ramo frigorífico em Vargem Grande.

Não Chamem Pra Mesma Mesa o Prefeito e o Cunhado Vereador

A confusão começou numa comemoração de família. Os dois conversavam com o nível etílico um pouco acima do recomendado quando o parlamentar externou suas preocupações com o rumo do governo e o prefeito reagiu contrariado quando ouviu o irmão da primeira-dama lhe dizer que se a eleição fosse hoje ele seria derrotado.
O problema aumentou durante uma recente posse de secretários no gabinete do prefeito. Parecia que ele já estava concluindo mais um dos seus longos discursos quando olhou o vereador entre os presentes e relembrou o diálogo afirmando não levar a sério o diagnóstico. Constrangendo o parlamentar, o prefeito disse que aquilo era conversa de quem estava com algo cheio de cachaça.
O vereador, é claro, não escondeu a contrariedade com a conversa, que havia acontecido em âmbito privado, ser tratada publicamente e principalmente com os termos que o prefeito usou na frente de outros parlamentares e membros da equipe de governo.
Pra piorar, ao saber das reclamações do vereador, o pre…

Top 20 prefeituráveis de 2020

Com metade do mandato do prefeito Magno Bacelar superado as articulações para a sua sucessão devem começar a esquentar e o Blog do Braga traz a lista com os 20 nomes mais cogitados para enfrentar a disputa municipal de 2020.
É possível que outros nomes sejam discutidos até as convenções do ano que e o mais provável é que três ou quatro sejam registrados pelos partidos políticos, mas os nomes mais especulados nas rodas de conversa da cidade e pelo grupos políticos locais até aqui são os seguintes:
Magno Bacelar: Apesar das três condenações com trânsito em julgado no Tribunal de Contas da União (TCU), não dá para deixar de considerar o nome do prefeito que está no cargo, principalmente considerando sua capacidade de se livrar de problemas jurídicos. Dificilmente conseguirá desfazer o atual desgaste do seu governo, mas tem a marca de ter sido o único prefeito reeleito de Chapadinha, em 2004.
Danubia Carneiro: Primeira-dama, ex-prefeita e secretária de Assistência Social. Parece mais inter…