Pular para o conteúdo principal

Ele também está voltando igualzinho


O advogado da ex-prefeita Ducilene Belezinha, Dr. Carlos Sérgio de Barros, demonstra, assim como a cliente, não ter aprendido nada. Ele é o mesmo que ficou famoso em Chapadinha quando afirmou que Magno Bacelar não iria poder ser candidato a prefeito em 2016 e quando chegou a aparecer em vídeo garantindo que era verdadeira a pesquisa espalhada pela cidade de madrugada (e recolhida pela Justiça 12h depois) que mostrava a então candidata à reeleição na frente das preferências de votos.

Como se sabe, a pesquisa era falsa, Belezinha perderia a eleição no dia seguinte por 3.603 votos e Magno não apenas foi candidato como foi também eleito, diplomado, empossado e está aí até hoje.

Agora o advogado reaparece dando chilique porque este Blog noticia o que não convém à sua cliente e que ele acaba admitindo depois de longo falatório em nota publicada ontem: A ação que a ex-prefeita responde por compra de voto continua sub judice e vai ser apreciada em Brasília.

Como virou moda na era bolsonariana chamar de “fake news” qualquer matéria desagradável para si, o advogado se refere assim a postagem deste Blog sem desmentir nenhuma informação nela publicada.

Os fatos:

1. O Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA) publicou anteontem o acórdão da decisão que permitiu Belezinha concorrer ao cargo de deputada estadual no ano passado. Mentira? Não, verdade. 
2. O presidente da corte negou recurso especial apresentado pela acusação contra a decisão. Mentira? Não, verdade.

O leitor pode clicar aqui e ver na edição de 11 de março de 2019 do Diário da Justiça Eletrônico (DJE) a veracidade do que é publicado neste espaço.

O Blog procurou as duas partes para repercutir a decisão. O próprio Carlos Sérgio escolheu não responder contato do Blog, que é um direito dele. O advogado da outra coligação respondeu, estranhou a negativa do recurso e anunciou a apresentação de agravo de instrumento, que não pode ser negado pelo presidente do TRE e que fará o caso subir para o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Mentira? Não, verdade. Confira aqui o §5º do art. 279 do Código Eleitoral.

A certeza que o advogado tem sobre a candidatura da cliente é a mesma que ele tinha sobre a veracidade da famosa pesquisa da madrugada, mas nós só saberemos se ela poderá ser candidata depois que o TSE se pronunciar. 

Sobre 2016

Quando os partidos políticos apresentam seus candidatos à Justiça Eleitoral, qualquer eleitor pode impugnar o pedido de registro das candidaturas num prazo de dois dias. Em 2016, os aliados de Belezinha pediram a impugnação de Magno Bacelar com base em pareceres do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que orientavam à Câmara Municipal (de quem é a última palavra) a reprovação de contas referentes a governos anteriores. 

Além de terem perdido no voto, acabaram perdendo nas três instâncias da Justiça Eleitoral, mas poderiam ter vencido. Se fossem competentes, poderiam ter evitado a candidatura de Magno em 2016 porque ele tinha outras pendências judiciais que o impediam.

Meses antes das convenções, o prefeito tinha duas condenações com trânsito em julgado no Tribunal de Contas da União (TCU). Ele conseguiu anular uma das condenações no Tribunal Regional Federal e a outra condenação não apareceu na lista publicada pelo TCU. 

Acontece que a lista que os tribunais publicam em todo período pré-eleitoral são meramente informativas. Com a condenação de Magno que não havia sido anulada, Belezinha e seus advogados poderiam tê-lo tirado da disputa.

E esta condenação não era secreta. Outros pré-candidatos desistiram de entrar na disputa  em Chapadinha por estarem envolvidos na mesma ação. O que faltou foi competência jurídica de quem agora quer dar aula de jornalismo a este blog.

Relembre a última atuação do Dr Carlos Sérgio em Chapadinha:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor de Chapadinha vai a Itapecuru prestar depoimento

O assassinato do empresário Pedro Lopes Fontenelle, em Vargem Grande, ainda é um mistério. Para ajudar a solucionar o caso o pastor Elias Lima, presidente da Assembleia de Deus em Chapadinha, se dirigiu à Delegacia de Itapecuru-Mirim na manhã desta terça-feira (02) para prestar depoimento.
O crime aconteceu na última quarta-feira (27) às margens da BR-222, em frente a uma propriedade que o pastor havia vendido para o empresário. O empresário foi executado com dois tiros e não levaram nada dele.
Segundo um genro do pastor, o irmão Ezequiel Douglas, ele não recebeu qualquer intimação para comparecer ao distrito policial que investiga o caso e se dirigiu de forma espontânea. “Como ninguém sabe quem são os autores nem a motivação do crime, cabe todos que tiveram algum contato recente com a vítima munir as autoridades policiais com toda informação que possa ajudar a solucionar o caso”, afirmou ao blog.
Pedro Lopes Fontenelle tinha 46 anos e atuava no ramo frigorífico em Vargem Grande.

Não Chamem Pra Mesma Mesa o Prefeito e o Cunhado Vereador

A confusão começou numa comemoração de família. Os dois conversavam com o nível etílico um pouco acima do recomendado quando o parlamentar externou suas preocupações com o rumo do governo e o prefeito reagiu contrariado quando ouviu o irmão da primeira-dama lhe dizer que se a eleição fosse hoje ele seria derrotado.
O problema aumentou durante uma recente posse de secretários no gabinete do prefeito. Parecia que ele já estava concluindo mais um dos seus longos discursos quando olhou o vereador entre os presentes e relembrou o diálogo afirmando não levar a sério o diagnóstico. Constrangendo o parlamentar, o prefeito disse que aquilo era conversa de quem estava com algo cheio de cachaça.
O vereador, é claro, não escondeu a contrariedade com a conversa, que havia acontecido em âmbito privado, ser tratada publicamente e principalmente com os termos que o prefeito usou na frente de outros parlamentares e membros da equipe de governo.
Pra piorar, ao saber das reclamações do vereador, o pre…

Top 20 prefeituráveis de 2020

Com metade do mandato do prefeito Magno Bacelar superado as articulações para a sua sucessão devem começar a esquentar e o Blog do Braga traz a lista com os 20 nomes mais cogitados para enfrentar a disputa municipal de 2020.
É possível que outros nomes sejam discutidos até as convenções do ano que e o mais provável é que três ou quatro sejam registrados pelos partidos políticos, mas os nomes mais especulados nas rodas de conversa da cidade e pelo grupos políticos locais até aqui são os seguintes:
Magno Bacelar: Apesar das três condenações com trânsito em julgado no Tribunal de Contas da União (TCU), não dá para deixar de considerar o nome do prefeito que está no cargo, principalmente considerando sua capacidade de se livrar de problemas jurídicos. Dificilmente conseguirá desfazer o atual desgaste do seu governo, mas tem a marca de ter sido o único prefeito reeleito de Chapadinha, em 2004.
Danubia Carneiro: Primeira-dama, ex-prefeita e secretária de Assistência Social. Parece mais inter…