Pular para o conteúdo principal

Sobre paqueras, namoros, casamentos, traições e divórcios...


Os bastidores da política chapadinhense quase foram à louca na semana passada quando surgiu a notícia que a ex-prefeita Belezinha e o ex-deputado Levi Pontes estariam conversando.

O eleitor que acompanha as disputas, os discursos, os ataques pode ter outra impressão, mas quem participa da política sabe que ninguém se odeia. Quem não é aliado já foi ou ainda será e no meio do caminho todo mundo conversa.

Claro que uma aliança envolvendo os dois candidatos a deputado estadual mais votados do município mudaria o eixo da política local. Somados, eles tiveram 18.427 votos em 2018 e juntos seriam uma força difícil de ser batida, mas nos vais e vens da política ninguém confia mais em ninguém (com certa razão) e os termos do suposto acordo não são críveis para quem conhece as personalidades envolvidas.

Segundo o acordo costurado por um deputado federal aliado de quase todo mundo por aqui, a candidata seria Belezinha enquanto o TSE permitisse, mas se condenada (como provavelmente será) ela passaria a apoiar o nome do ex-deputado.

Alguém acredita que este tipo de acordo seria cumprido? Cumprido por alguém que já está com o processo nas mãos do ministro Luís Roberto Barroso e com parecer do Ministério Público recomendando a condenação? Por quem antes de ser condenada já aparece com a filha e suposta substituta em reunião política? Por quem rompeu com seu maior cabo eleitoral depois de assumir a Prefeitura? Por quem já descumpriu acordos muito mais simples que este (e quem aqui escreve sabe bem)?

É bom lembrar: Em 2016, uma aliança entre Belezinha e Dr. Levi chegou muito perto de acontecer, mas a então candidata tinha tanta certeza da reeleição que menosprezou a importância do então deputado e ele acabou se tornando o articulador da frente política que a derrotou elegendo Magno Bacelar.

Transações comerciais a parte, se paquera virar namoro o divórcio acontece antes do casamento.

É aguardar e conferir.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor de Chapadinha vai a Itapecuru prestar depoimento

O assassinato do empresário Pedro Lopes Fontenelle, em Vargem Grande, ainda é um mistério. Para ajudar a solucionar o caso o pastor Elias Lima, presidente da Assembleia de Deus em Chapadinha, se dirigiu à Delegacia de Itapecuru-Mirim na manhã desta terça-feira (02) para prestar depoimento.
O crime aconteceu na última quarta-feira (27) às margens da BR-222, em frente a uma propriedade que o pastor havia vendido para o empresário. O empresário foi executado com dois tiros e não levaram nada dele.
Segundo um genro do pastor, o irmão Ezequiel Douglas, ele não recebeu qualquer intimação para comparecer ao distrito policial que investiga o caso e se dirigiu de forma espontânea. “Como ninguém sabe quem são os autores nem a motivação do crime, cabe todos que tiveram algum contato recente com a vítima munir as autoridades policiais com toda informação que possa ajudar a solucionar o caso”, afirmou ao blog.
Pedro Lopes Fontenelle tinha 46 anos e atuava no ramo frigorífico em Vargem Grande.

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

Mais um empresário se prepara para disputar a Prefeitura

Está difícil manter a contagem de quantos pré-candidatos ao cargo de prefeito de Chapadinha já estão no páreo. Hoje pela manhã foi a vez do empresário Nenezão se filiar ao Partido dos Trabalhadores (PT) se colocando a disposição da legenda para a disputa.
A informação é do presidente do Diretório Municipal, o ex-vereador Manim Lopes, que acredita que uma candidatura própria é o melhor caminho para o partido voltar a ter representatividade local.